quinta-feira, 15 de março de 2012

CONFUSÃO OU SAÍDA DE LÍDERES FROUXOS?

E continuam fermentando as doidices conectas à realização da Copa do Mundo aqui no Brasil, em 2014. E hoje o Sr. Marco Maia, presidente da Camara dos Deputados, vem a público falar de desencontros em decisões envolvendo aquele evento, notadamente a venda de bebidas alcoólicas nos estádios ou seu entorno.

Pergunta totalmente cretina - alguém aí imagina que não vai aparecer bêbado? Acreditam mesmo que não haverá violência? Alguém de mais de 12 anos acredita em Papai Noel?

Pessoas, nossos líderes perdem excelentes oportunidades de demonstrar nossa soberania (claro, o termo está meio esvaziado, pelo milagre da globalização, eu sei disso), no embate com o que nos é imposto. Explico.

Ora, ora, ora... ninguém em sã consciência imagina que as fabricantes de bebidas vão ter prejuízo (com certeza estão fazendo lobby fortíssimo), se houver "lei seca". Isso não mudará o desempenho dos times, igualmente.

Mas todos antecipam que existirão prejuízos materiais (sempre acontece, no trato com pessoas embriagadas), atentados á vida ou à integridade dos torcedores (costuma ocorrer, coisa lamentável).

Nossos homens públicos perdem uma excelente oportunidade de demonstrar que aqui dentro os brasileiros costumavam mandar. Afinal de contas, o que a FIFA tem a ver se os torcedores beberem água, uísque, cerveja ou urina? O negócio da "Fédéracion Internationale de Football Association" é futebol, pombas!!! E quem quiser que comemore depois em algum lugar, onde não possa causar mal a terceiros!

Eu acho patético nós nos curvarmos a qualquer ente internacional, só porque tem um pouco mais de dinheiro. Só países de povo ignorante e mandatários interesseiros procedem assim, em nossos dias.

Brasil, tomara que essa galera do Planalto acorde... mas eu te amo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUANDO A INTELIGÊNCIA ENCONTRA A ALIENAÇÃO

Com muito prazer republico um texto profundíssimo, que pode divertir, e vai trazer muita luz, sobre o momento político que vivemos. É ...