quinta-feira, 22 de março de 2012

DINAMITE... UM BRINQUEDO EXPLOSIVO...



Mas então, minha gente, noite de temperatura amena, depois de algumas chuvas meio intensas... reflexões...

Estive me ilustrando sobre essa modalidade pitoresca de furto, em que pessoas com necessidade de numerário (apreciaram a sutileza?) acometem os chamados "caixas eletrônicos", os destroem, recolhem as cédulas e saem às compras. Na sua esteira, não só os caixas destruídos, mas todo o entorno...

Primeiramente, os estoques de dinamite devem ser controlados pelo Exército, se podemos dizer assim... então, na origem eu confio!!!

Então, temos o transporte para os destinatários. Surpresa! Descubro que as carretas carregando a invenção do Sr. Alfred Nobel, às toneladas, cruzam as estradas do meu Brasil varonil SEM NENHUMA SEGURANÇA. Imaginem, uma carga assim tão - digamos - trepidante, sujeita aos mandos e desmandos de motoristas solitários. A coisa esquisita é que algo que pode ceifar milhares de vidas é transportado sem nenhuma segurança... Na verdade tal segurança é capitulada em nossa lei, mas a redação dos textos legais, conquanto responsabilize a quem de direito, e fale de itinerários seguros e aparato de segurança "discretamente" passa ao largo de quem vai mesmo desempenhar dita segurança. E ademais... você já ouviu alguém ser processado e pagar por um roubo de dinamite? Algum delegado comparece diante das cameras, e somente diz "estaremos procedendo ao inquérito..." e fica só nisso.

Ora, a turma do crime só precisou de algum raciocínio para descobrir uma maneira prática de obterem "crédito" e juntar suas necessidades com os recursos para "obtê-lo". Ora, meus irmãos, a ladroagem não dorme em serviço, como nossos representantes lá no Congresso! ("en passant"... nunca viram algum parlamentar cochilando no plenário?)


Até quando suportaremos essa rotina ridícula, de abrir o jornal e descobrir que mais um caixa eletrônico foi estropiado? Os bancos, OK, eles têm seguro que cobre com tranquilidade as perdas... mas e os imóveis destruídos, de terceiros? E o eventual prejuizo em vidas humanas inocentes?

Os criminosos brasileiros, conquanto tenham suas técnicas, são relativamente fáceis de resolver. Dependemos, claro, de uma polícia atuante, que realmente esteja comprometida em proteger a sociedade. A polícia SABE onde os criminosos estão.

Depois, a maneira como essas cargas explosivas são transportadas precisa de segurança para transitarem pelo território, não só para se evitar acidentes de real impacto social (isso é só uma questão de tempo para acontecer, seja fatalidade, seja brincadeira de mau gosto de algum insano), como também para se evitar furtos de carga. Imaginem como isso é transportado nos E.U.A.!

Finalmente, quem utiliza os tais explosivos (mineradores e assemelhados) tem que ter o aparato adequado para custódia segura de tão perigoso insumo. Se não têm  condição ou recursos para a segurança, melhor mudarem de ramo. O risco é altíssimo.

DICA: locais sujeitos à visitação de cfriminosos têm uma excelente solução protetiva com policarbonato, 250 vezes mais resistente que o vidro, suportando (cumpridas especificações adequadas) até balas de fuzil. Não comercializo isso, mas puxa, se o pessoal não sabe o que fazer, não custa sugerir, não é mesmo?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUANDO A INTELIGÊNCIA ENCONTRA A ALIENAÇÃO

Com muito prazer republico um texto profundíssimo, que pode divertir, e vai trazer muita luz, sobre o momento político que vivemos. É ...