terça-feira, 31 de julho de 2012

RAFINHA... ONDE O MITO ENCONTRA SEU ALTER-EGO

Como dizia Carlos Imperial, "sem liberdade de pixação, nenhum elogio é válido".

O comediante Rafinha Bastos, que fora defenestrado de sua atividade no CQC, em razão de comentário sobremodo infeliz, tem mostrado crítica acerba em referência ao que pensam dele, e também aos ex-colegas.

Como aparentemente ele não se importa com a crítica, certamente não se aborrecerá com minha abordagem a respeito. Mas preciso fazer isso, para meu próprio crivo.

Não há o que se dizer sobre a mente brilhante do comediante. Sua capacidade de improviso, de abordar temas com ecletismo e naturalidade sem dúvida é algo a ressaltar, possivelmente fruto de educação esmerada e buscada pelo Rafinha. Igualmente brilhante é sua apresentação, de bem com a vida, seguro nas intervenções, e por aí vai.

A assunção de alguém aos holofotes da mídia traz consigo alguns consectários. Não somente a capacidade profissional se coloca em xeque, como também a que se propõe o artista. Não por acaso sabemos de casos  em que a/o artista se lança, e o que produz aparece chocho e sem graça, e de uma hora pra outra é eclipsado. O que eu quero dizer com isso é que o que se oferece precisa ter conteúdo, para ter a fidelidade dos expectadores (até entre crianças é assim!).

O humor do programa CQC é fino, até quando é descaradamente crítico. E nossa gente gostou daquele formato, em que tres marmanjos dão pitacos aqui e acolá. O menú de temas e piadas atende a expressiva parcela de nossa gente brasileira, cansada de enlatados, e piadas sem brilho de "senhoritas" de traseiro grande e inteligência estreita.

Mas... salvo melhor juízo, o Rafinha serviu, numa das rodadas da bandeja, um prato sobremaneira forte. Seu descuido ao mencionar aquela moça e seu rebento intra-uterino foi de um mau gosto absoluto, mas não  parou por aí o engano.

Não serviu nada para o entretenimento popular, entendem? Ao invés de acrescentar, foi como se se colocasse no meio do salão um personagem do filme "A Mosca". Algo indescritível, mas monstruoso. Algo sem graça, mas monstruoso. Algo sem inteligência, talvez somente instintivo, mas monstruoso. Sob todos os aspectos sociais vigentes, foi agressivo, ofensor... nada obstante ser a título gratuíto.

O impacto de retorno tangenciou o programa, arranhou ligeiramente os demais integrantes do programa (que com toda a certeza também foram apanhados de surpresa), e atropelou o Rafinha.

Algo grotesco, inaceitável do ponto de vista social, qualquer que seja o angulo de abordagem.

Alguém poderá objetar que nos tempos em que estamos vivendo, toda manifestação pode ser válida, todo tipo de humor é possível, a crítica não deve existir. Não é bem assim. Sem querer comparar ninguém, mas nenhum comediante de sucesso dentro do Brasil ou fora dele se arriscaria àquela tirada - veria o risco de desastre na carreira..

E agora, passado algum tempo, podemos notar uma certa amargura no discurso do jovem comediante, algumas farpas endereçadas aos antigos companheiros... (conselho? Um erro não justifica outros...).

Há momentos na vida em que nosso ego precisa fiscalizar atentamente seu alter-ego, para evitar desmandos impensados. Essa dualidade dentro de nós é algo até fascinante, mas perigosíssimo.

Reinventar a roda é algo desejável e até buscado, mas as coisas não são assim simples. Há regramentos simples. Se precisa saber com que finalidade existirá a reinvenção, qual o seu custo, qual a sua aparência.

Reinventar o humor segue mesma trilha:
- Qual a finalidade - entreter, agredir, criticar...;
- Que custo terá - para a imagem do veículo, ou do autor, se é recuperável, nos lucros com platéia;
- Que aparência terá - pública, privada (nesse caso, se é para maiores ou menores de idade...).

Simples assim... me parece que, no vigor de sua juventude, Rafinha decidiu em frações de segundo lançar novidade no mercado da comédia, mas a precipitação custou caro. E o saldo do prejuízo AINDA está sendo contabilizado. Podem anotar.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

PÂNICO NO FORMIGUEIRO

Vocês já experimentaram mexer num formigueiro? De repente uma legião de insetos aparentemente atarantados surge, no denodo de proteger seu castelo.

Aparentemente, disse eu. Porque os pequenos animais são capazes MESMO de defender seu forte.

Há algo semelhante acontecendo em outro formigueiro. No Congresso há uma correria surda, um alarme de terror, de desastre iminente... Mas dessa vez o tumulto é atarantado mesmo. Me refiro ao julgamento do escândalo do Mensalão.

Querem ver? Peticionaram à presidente do TSE, para interceder pela suspensão do julgamento, sob justificativa que me parece nebulosa. Ainda bem que a Dra. Carmem Lúcia fez as honras, e despachou o petitório para o arquivo.

Patético. As "formigas" criminosas não sabem mais como defender seu bastião.

Os envolvidos no escândalo do Mensalão estão preocupados. O julgamento, tanto tempo ansiado pelos brasileiros sérios, está prestes a começar.

Além dos 38 nominados no processo, com toda a certeza há mais engravatados envolvidos. Que igualmente temem as fezes atiradas no ventilador. Mas não é só isso. Eles estão realmente preocupados com reflexos negativos que sem dúvida atingirão o Sr. Luiz Inácio e muitos de seus correligionários. E a perenidade do PT no poder está sob risco.

Não posso deixar de lembrar - quando, anos atrás, os meninos travessos saíram brincando de "Banco Imobiliário Doido", distribuindo recursos aqui e alí, será que não imaginaram que a lama elaborada poderia lhes respingar?

De passagem... notaram como o Palácio do Planalto está sereno? quero dizer, aparentemente D. Dilma Roussef está só assistindo a meninada se unhar... está se mantendo a prudente distância do lodaçal.

Quanto à perenidade no poder, preferiria mil vezes ter presidentes e senadores e deputados honestos e comprometidos com nossa gente sendo eleitos e reeleitos "ab aeterni". De gente boa e séria nós gostamos. Não gostamos - embora não pareça -  de safados, corruptos, imorais, "coronés", e por aí vai.

Espero que o STF tenha desempenho luminar dessa vez, também. O Brasil está "de olho" em vocês, pessoas de toga do STF!!!!



ECT - OU O PRÊMIO DA INEFICIÊNCIA

Abro esta semana num ataque de nostalgia absolutamente dilacerante.

Quando menino, se havia algo sério no Brasil, era o poderoso DCT - ou Departamento dos Correios e Telégrafos, gestionado pelo governo federal. Com muito menos recursos de logística e gerenciamento, sem nem se sonhar com computadores ou internet, os funcionários do dito departamento tinham desempenho impecável.

Muitas vezes se ouvia falar de correspondências extraviadas, claro, mas essa maldição nunca acossou minha família. Conhecíamos o carteiro de nosso quarteirão, o querido Serôdio, com voz empostada ao dizer em voz alta "Correio!"...

... enfim, reminiscências de tempos que não voltam mais, tempos em que as pessoas tinham mais respeito umas pelas outras, os corruptos tinham menos coragem de se expor, já havia falta de empregos, claro, mas a coisa era resolvida, mais cedo ou mais tarde.

O que temos hoje? Uma coisa esquisita, misto de empresa, misto de autarquia, com "lojinhas" de franquia. Preços estranhos para serviços relativamente iguais - como se supôr que uma carta simples NÃO RECEBA CUIDADOS, e uma carta registrada os tenha? O nome disso é imoralidade. Ah, lançou-se uma outra alienação, a chamada "carta social" (não se iludam, não tem nada de social, tem mais a ver com os sócios que dividem os lucros de serviços multiplicados).

Nas lojas, salvo raríssimas exceções, preciso pontuar mais uma vez, empregados papalvos, destituídos de entendimento ou cortesia, que somente repassam valores e cálculos, sem ter a mais bisonha defesa dos valores praticados. Valores que muitas vezes beiram o irreal... vocês que me leem sabiam que algumas encomendas pequenas chegam (com certeza) e mais baratas via aérea do que via ECT?

Empregados que precisam fazer pequenas reuniões no meio do expediente, para eliminar uma dúvida de algum cliente, simplesmente porque não foram treinados para pensar e resolver a dúvida de quem está diante deles. Então, precisam se assegurar com os outros, sobre o que vão dizer... seria cômico, se não for patético.

Ah, mas isso não é tudo. Experimentem enviar uma carta com AR (antigamente isso era coisa séria). Tentem depois saber onde deve estar, alí pelo terceiro dia de enviada. Terão de resposta a notícia de que não há como rastrear (???) a tal correspondência. Agora, imaginem a quantidade de "cartas sociais" que se extraviam todo dia, às quais a palavra rastreio simplesmente não diz respeito!

Sem contar em pacotes dilacerados, como se chegassem da Síria, ou envelopes com conteúdos expostos/amassados... Tem correspondência que parece ter sido pisada por uma manada de elefantes...

Não tenho absolutamente nada contra os abnegados que enfrentam chuva, insolação, cães bravos e clientes grosseiros, na tarefa diária de distribuir as correspondências, todo santo dia. Nem de transportadores que varam a madrugada, levando pesados malotes... tenho críticas a seus superiores, que não têm competência para tal e, principalmente, tenho críticas contra os operadores das tais "lojinhas", que mordem um lucro avantajado, para entregar serviço minimamente sofrível.

Sinceramente, sonho com o retorno do "status quo" de outrora. E tenho certeza de que a iniciativa teria sucesso, com todos os recursos da computação que temos hoje.

Quero que o correio seja novamente a prestadora de serviços mais eficiente do Brasil, como já foi, no passado.

P.S. - Não queimem o juízo tentando descobrir onde o Serôdio trabalhava - era na Rua Coração de Maria, no Méier, Rio de Janeiro, RJ (ah, eu tenho saudade da Guanabara também...).

sexta-feira, 27 de julho de 2012

AQUELE CICLISTA SAFADO...! TJ RJ COM A PALAVRA...

Então... a coisa vai andando pelos tribunais do Brasil, e aqui e acolá se colhem pérolas incríveis.

Thor Batista, filho do Sr. Eike Batista, empresário de muito sucesso, está para ser julgado. Dentre outras traquinagens, o moço, no frescor dos seus vinte anos, teve o dissabor de atropelar um ciclista na rodovia BR-040. No infortúnio, ceifou-se a vida do ciclista, que teve também mutilações (teve um pé amputado, no impacto do acidente).

Como soi acontecer com gente famosa/importante/política envolvida em coisas da espécie. os advogados do jovem Thor hão de postular pela inocência de seu cliente. E, a julgar pelos cometimentos verbais, o culpado da tragédia é o "de cujus".

Natural.

Afinal, rodovias não são apropriadas para ciclistas, ora bolas! Esses ciclistas descuidados que cismam de atropelar incautos jovens em seus carros novos... onde já se viu? (se comenta que o "delinquente" em indício  trafegava pelo acostamento, mas quem se importa? Afinal, é um "delinquente"!).

Ademais, rodovias em bom estado de conservação, com acostamentos e pedágios precisam ser locais seguros para jovens(ou não) trafegarem suas máquinas, especialmente se estiverem ABAIXO (??) da velocidade permitida para o trecho (me chamem de ignorante, estúpido, parcial, mas não me venham dizer que o moço, em boa companhia, segundo se sabe, guiando um Mercedes SLR McLaren, estava a menos de 110 Km/hora! Tentar empurrar isso pela minha goela é sacanagem, desrespeito à minha inteligência).

Que se demonstre que uma batidinha de nada, a baixa velocidade, poderia SIM amputar o pé do delinquente (que a julgar pelos advogados, estava guiando sua bike a uma velocidade VERTIGINOSA, para causar tamanho impacto!!!)

Falando em segurança... se estamos com alguma pressa, qual o problema em trafegar PELO ACOSTAMENTO? Ora bolas, a faixa é segura, destina-se a carros... não é mesmo?

Caramba, o tal do Sr. Thor é mesmo inocente de tudo.

Mas as pérolas não param de aparecer... o desembargador Dr. Antônio Carlos dos Santos Bitencourt, da 5a. Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro acolheu em liminar pedido dos defensores do moço "vitimado pelo ciclista", para liberar a carteira de habilitação do Sr. Thor.

Como assim, liminar? É que a Dra. Daniela Barbosa Assunção de Souza, titular da 2a. Vara Criminal de Duque de Caxias, interpretando a lei e o Código Nacional de Trânsito, suspendera a habilitação do moço por um ano.

Outra arbitrariedade cometida contra o desafortunado rapaz. Como se suspende assim, do nada a habilitação de alguém ao direito sagrado de guiar Mercedes, Ferraris e etcéteras? (é desnecessário mencionar que o moço já cometera 12 infrações de trânsito, as quais, se convertidas pela pontuação mínima de 3 pontos para infrações leves, totalizariam 36 pontos, ou seja, 16 pontos acima da cassação automática da CNH, que não deve ter ocorrido por prevaricação de algum agente de trânsito).

Me parece, salvo melhor juízo, que o TJ RJ cometera o deslize de demonstrar, de forma singela, que a lei é desigual para os desiguais, a um ponto insuportável. Interpreto a concessão da liminar como um tapa no rosto da Dra. Daniela, que interpretou a lei com lisura.

Querem apostar que o "de cujus" será acionado para indenizar pelos estragos no carro do jovem Batista? É só o que falta.

E as Olímpiadas, o campeonato brasileiro, uma tal novela por aí ajudam a desviar a atenção...

Eu tenho vergonha de alguns gestores da lei. Muitas vezes, não eventualmente.

P.S. - se alguém tem argumentos para me demonstrar erros na crônica acima, me apresentem - TEREI O MÁXIMO PRAZER EM ME RETRATAR - afinal, eu AINDA confio na Justiça!

quinta-feira, 26 de julho de 2012

BRINCANDO COM O STF?

E finalmente, depois de marchas e contramarchas, começa brevemente o julgamento dos indiciados no caso denominado "Mensalão". FINALMENTE, depois de quase 7 (sete) anos desde à aparição do caso. Já não era sem tempo.

Pois bem, uma legião de espertos (odeio espertos, já disse), tem postulado o adiamento (???) do julgamento. Dizem que vai influenciar as próximas eleições. Há um grupo de advogados metidos nessa demanda. Estou tentando entender o porquê deles estarem dando a cara pra bater, assim...

Mas vai influenciar de que maneira? Se lançar corruptos à execração, será um benefício. Por outro lado, não consigo pensar em alguma outra maneira de o pleito eleitoral que se avizinha. Então, que haja o julgamento!

Os petistas temem que o desenrolar dos eventos coloque a opinião pública contra si. Mas quando aconteceu a distribuição de recursos, em 2005, ninguém pensou nisso? Vamos deixar de ser crianças, "cumpanhêros"! Como diz o vulgo "ajoelhou, tem que rezar!" Se vocês aprontaram a safadeza, segurem o rojão, agora! Além do mais o mensalão já estava com gosto de pizza... querem que vire mesmo isso?

Em paralelo, advogado do Sr. Marcos Valério, por exemplo, pretende postular a suspensão do processo, alegando que o STF não é foro para seu cliente, que não tem foro privilegiado!!!! Não é engraçado? Quando o homem é alçado a personalidade de peso nacional, para ser julgado na mais alta corte, se pretende que ele seja julgado na instância inicial!

Ora, ora, ora... Dr. Marcelo Leonardo, só pode ser brincadeira, hein? Primeiro que o Sr. Valério está conexo com quem TEM foro privilegiado. Assim, consoante o Código de Processo Civil, a jurisdição do STF lhe é estendida. Sinceramente, eu se estivesse na pele dos ministros do STF, o advertiria pela ousadia, além de, naturalmente, indeferir o pedido.

Espero do STF nada mais nada menos que JUSTIÇA. E que nossa justiça, meio caolha, dessa vez seja cega mesmo, e sem remorsos, nem peninhas, nem panos quentes, puna exemplarmente esses delinquentes, que cirandaram com o que não lhes pertencia.

quarta-feira, 25 de julho de 2012

JARDEL SEBBA E SUAS RAZÕES

Nepotismo. Delinquência comum entre nossos políticos. Delinquência porque a Lei capitulou dessa forma, e comum porque não me acode aqui algum estado onde isso já não tenha acontecido pelo menos uma vez.

O deputado Jardel, no conforto do poder de que foi investido, ao ser alçado à condição de presidente da Assembléia Legislativa, entendeu de fazer uma franquiazinha no meio de sua família, ué... Intenção e esperanças humanitárias... sua irmã, seu cunhado... Não foi feliz, o MP o está buscando.

Sr. Jardel, como é que um cargo de diretor financeiro pode revestir caráter político? O paralelo com secretário de estado é descuidado - o secretário assiste alguém, o diretor (e especialmente o financeiro) COMETE atos.

Caríssimo Sr. Sebba, o Sr. labora em erro lapidar. Mas como se não bastasse a clareza do tema, sem margem a interpretações dúbias, o maior erro de V.Excia. se comete diante dos eleitores que o escolheram para deputado. Note no segundo parágrafo - "sua" irmã, "seu" cunhado. O interesse da coletividade que se "exploda", não é mesmo, Excelência? Vamos privilegiar nossa gente (de casa).

Aplausos para o MP ao pescar do lodaçal político tal situação, e postular sua desconstituição. Essa moçada mais nova, no Ministério Público, está fazendo história, já. Talvez até tenham alguma motivação estranha, lá no fundo, mas estão cumprindo com suas obrigações, pelo que os saúdo.

Sr. Sebba, na próxima vez que colocar o ilustre cunhado a seu serviço, se assegure de que ele não passe da "assistência", que aí será fácil rotular de política.

Mas não o impinja à opinião pública - nem queira a aceitação dos brasileiros que já estão enojados dessas gracinhas políticas. Se o ilustre cunhado precisa de emprego, que o busque, ou faça concurso, sei lá. Não é justo cuspir na lei em nome de conceitos pessoais sobre ela. O mínimamente moral precisa ser preponderante. E não o que se interpreta no torcer da lei. Isso é imoral.

terça-feira, 24 de julho de 2012

CACHOEIRA DE SAFADEZAS

Então, sem muito alarde, os trabalhos no Tribunal em Goiânia começaram, expondo as corredeiras e meandros da "Cachoeira".

Eu vejo o açodamento dos defensores do Sr. Carlos Augusto, tentando libertá-lo. Cuidado, isso pode azedar o frango de vez, eu já disse isso...

O progenitor do personagem central da patuscada (folgança, pândega) vem a público e diz que seu filhote é um "Cristo". Bem, ele tem dever visceral de defender seu rebento. Então, vou poupar o ancião de alguma crítica a respeito. Só digo que de "Cristo" o homem não tem nada, prezado senhor.

E o interessante é que é sensível uma certa "eletricidade" no ar do Planalto. Porque, não se enganem, prezados, há muitos mais que se banharam nas águas da "Cachoeira". Senadores, deputados, governadores, vereadores, meros barnabés, policiais... pessoas, a coisa vai longe.

O Brasil precisa ser passado a limpo, já dizia há algum tempo atrás um jornalista famoso. Culpados precisam ser condenados, sem possibilidade de recurso (aliás, as medidas recursais no Brasil são de uma abundância abominável! Ninguém me diga que isso é proteção aos direitos humanos - antes é medida protetiva para os criminosos engravatados que povoam nosso governo, do que uma benesse ao joão-ninguém que rouba pães...).

Estamos cansados de CPIs que redundam em pizza (como o populacho até já se acostumou a rotular), de processos que são protelados "ad aeternum" (com recursos, com vistas de enfadados magistrados, com cargas sucessivas de defensores... eu conheço o sistema!)... estamos enfadados de pessoas condenadas que não pagam dívida alguma à sociedade (nem sequer perdem bens mal ganhos!) a não ser um pito público... Lembrem-se de criminosos de colarinho famosos - o que eles sofreram de constrição da lei? Ficar inelegíveis???? Ah, férias todo mundo quer, até os facínoras! Mesmo que sejam prolongadas!

Estamos cansados de políticos se safando pelo seu poder de barganha, estamos fartos de deputados e senadores se escondendo atrás da infame "imunidade parlamentar" (que loucura é essa? Eles são mais cidadãos do que eu e vocês?)... Ora, se devem à lei, que sejam detidos, autuados e processados! No que o cargo pode ser obstáculo? Se ao menos fossem produtivos para o povo brasileiro...

Brasileiros e brasileiras (um famoso demagogo usava essas palavras)! Precisamos nos levantar contra essas arbitrariedades cometidas em nome da obediência ao "status quo"!

QUEM SÃO OS CRIMINOSOS?

Através do excelente blog www.marrapa.com, nos vem a notícia de avultados desvios de verba, em benefício de diversos "espertos" (eu já disse que odeio espertos) envolvidos. Baseados em matéria veiculada por revista de circulação semanal, demonstram como cifras que podem beirar o bilhão foram escamoteadas.

Bem, bem, bem. Se comenta então que as "construtoras" (faz-me rir, só se forem construtoras de patrîmonios privados!!!) tiveram suas verbas integralmente utilizadas, os 25% adicionais previstos em lei - sem licitação -  foram acrescentados, e então... restam sem terminar seguranças de taludes, pátios de descarga, outros detalhezinhos, sem os quais a ferrovia praticamente se inviabiliza.

A pergunta que não quer calar é a seguinte - será que não se fiscaliza isso? E se há fiscalização, a coisa é séria? E se é séria, PORQUE AS CONSTRUTORAS RECEBERAM TODO O DINHEIRO?

Imaginem um edifício sendo construído, e na sua entrega, faltam janelas, encanamentos, as escadas não estão pavimentadas... será que a construtora vai encarar? DUVIDO.

Mas... apaniguados de Andrade Gutierrez, SPA Engenharia, Constram, Queiroz Galvão e Camargo Corrêa não têm a menor cerimônia em entregar uma obra incompleta!!!!!!

Senhores e senhoras de bem desse país - não podemos mais nos acomodar observando esse estado de coisas. Essas empreiteiras PRECISAM SER ENCARADAS, e chamadas à responsabilidade pelo mundo de recursos que sugam das tetas oficiais!

O recado é curto e grosso - Tribunais de Contas, Ministério Público, demais órgãos atinentes à matéria - COBREM PERDAS E DANOS, pelo uso incipiente/desuso, da Ferrovia Norte-Sul, e LIMINARMENTE, bloqueiem recursos das construtoras, E DEMANDE-SE RETORNO AOS COFRES PÚBLICOS dos montantes relativos aos ítens incompletos ou faltantes na obra. MORALIDADE É ISSO. Nada mais, nada menos.

E que as construtoras esperneiem... afinal, já têm um colchão de recursos plenamente suficiente para suportar o impacto de uma indenização ao Estado.

Nós, brasileiros, ignorantes, sofridos, amordaçados, espezinhados por quem manda nesse país, agradecem às autoridades a ATENÇÃO QUE PUDEREM DISPENSAR À MATÉRIA. 

domingo, 22 de julho de 2012

PROFISSÕES DE FUTURO

Ócio no final do domingão... fui obrigado a escrever alguma coisa a mais...

As novas gerações têm se deslumbrado com carreiras glamurosas, atores/atrizes, cantores/as, jogadores de futebol, corredores de F-1/Indy, e por aí vai.

É preciso pontuar aqui que o conceito fundamental ao escolher uma profissão é se ela nos realiza. O lucro material que ela puder dar pode até não ser assim tão grande, mas fazer algo de que se goste é essencial. Não existe nada mais desagradável do que se ver alguém fazendo algo de que não gosta (no caso de médicos ou dentistas isso é até perigoso...). Isto posto, vamos ao tema.

Jovens de todas as classes, chegando à época da faculdade - há quatro carreiras que já estão começando a bombar!!!!!!! Notem bem o que temos de promissor:

- médico otorrino - os insuportáveis decibéis que nossa juventude encara, em suas festinhas "rave", "shows", e eventos do gênero; o hábito estúpido de ouvir música com fones de ouvido no volume máximo; carros preparados rugindo alto e oferecendo aquele clássico (e sem imaginação) stutz stutz stutz, de sistemas de som poderosos... já estão cobrando um preço ótimo nos ouvidos de seus apreciadores. Assim, imagino que dentro de uns 12~15 anos, teremos um "boom" (sem som) de pessoas surdas ou com audição comprometida. E uma clínica particular arrebenta!!!!

- médico nefrologista - as bebidas da moda deixaram a anos-luz as bebidinhas ridiculamente leves de meus tempos de adolescente. Não exatamente pelo teor alcoólico (que discretamente tem se mantido, na quantidade consumida versus a qualidade dos tempos de outrora), mas pela adição de um sem-número de substâncias químicas, para dar sabor, cor, ou meramente conservantes. O coquetel de bebidas "ice", vodcas de todas as cores do arco-íris e uísques baratíssimos COM bebidas energéticas representa uma mistura devastadora para o sistema renal humano. Não é por acaso que em todos os energéticos que já examinei há em letrinhas pequeníssimas a advertência de que não devem ser misturados a bebidas alcoólicas!!!!! Ora, tendo presente que a função renal tende a reduzir sua eficiência com o passar dos anos, e sendo exigidos pelas beberagens da moda, imaginem o estrago que vai terminar nas salas de hemodiálise!!!!!

- psicólogos - psicólogos do meu Brasil varonil, não desistam de suas carreiras!!! Hordas de pacientes os aguardam em até mais uns 8 anos! Os efeitos da liberação total têm trazido crises existenciais absurdamente corrosivas da personalidade, e os desvios que por enquanto tangenciam os pais, dentro de uns 5~10 anos atingirão em cheio os jovens de agora! Não é por acaso que temos loucos como aquele guri lá do Colorado, se fantasiando de inimigo do Batman para pipocar balas dentro do cinema, ou aquele lunático na Noruega fazendo limpeza étnica a seu modo. Já ouviram falar das taxas de suicídio entre os jovens japoneses? Acontece que a sociedade daqueles lugares JÁ ALCANÇOU o patamar que eu estou indicando aqui... por isso estão na frente, em termos de alienação e alvos de vida vazios (sem nenhuma crítica às sociedades mais desenvolvidas - quem quiser me contrapor que traga elementos).

- consultoria de etiqueta - já notaram como as pessoas estão sem educação? O mais comum é o hábito horroroso de usar goma de mascar em qualquer lugar - igrejas, tribunais, no meio de reuniões de família... gente... pelamordedeus - pessoas até razoavelmente belas, parecendo bovinos remoendo grama... cruel, não consigo deixar de associar... Mas tem também quem fala alto demais, ri alto demais, usa roupas desarrumadas e diz que é moda... gente que desrespeita idosos (como se eles não fossem envelhecer), que cospe no chão... caramba, que coisa mais grosseira... se têm um problema com a própria saliva, procurem um médico! Quem fazia isso há anos atrás mascava fumo, e eram em geral execrados pelo hábito! Se voce tem máu hálito, pessoa, procure um dentista ou um gastrologista! Não esconda o bafo de onça atrás de uma bola de goma de mascar, além de ser limitado o alcance da defesa, deixa você com um ar - digamos assim - bovino...

Acontece que nada obstante os ventos de liberalização terem vindo de fora, o resgate das posturas mais adequadas TAMBÉM VEM, e logo logo, para nossa juventude assumir um cargo em empresa de valor/porte, terá que demonstrar que sabe se comportar. Ninguém tolera dividir um ambiente de trabalho com quem se comporta como um Neanderthal transviado.

Sinceramente, eu recomendaria isso a quem procurasse meu conselho. O mundo está repleto de administradores em escritórios de contabilidade, de engenheiros vendendo cachorro-quente, e por aí vai... não há demérito algum em fazer essas coisas, repito - a pessoa precisa gostar do que faz... Mas a demanda pelas profissões acima JÁ ESTÁ CRESCENDO...


POBRE POVO MARANHENSE!!!!!

Meus irmãos e irmãs, essa é meio antiga (do ano passado), mas tenho certeza de que muitos de vocês não souberam dessa barbaridade política.

A 19 de outubro de 2011, os deputados estaduais do Maranhão aprovaram a estatização da Fundação José Sarney.

Como se fosse pouco já existir tal "instituto", que não sabemos ao certo para que serve ao povo maranhense, além de relembrá-lo de seu senhor feudal, o elefante foi criado para preservar a memória do personagem que lhe dá nome.

Sou totalmente contra odes a gente viva, até porque em muitos casos soam vazias, mas enfim... se o homem quer preservar suas memórias e outros troços, e encontra quem o patrocine, Ok.

O que absolutamente não aceito é o que foi acontecendo paulatinamente, algum tempo após instalação da tal "afundação".

Em outubro/2011, a governadora do estado, que por MERO ACASO é filha do homem homenageado, encaminha projeto de lei estatizando a "afundação", vale dizer, ela deixa de ser mantida por colaboradores externos, e passa a constar na folha de pagamentos do Estado do Maranhão. A resistência foi tímida, com oito votos somente - afinal, manda quem pode, obedece quem tem juízo e pele fina, que no Maranhão morre gente por questões políticas.

Alguém aí se admira?Mas isso não é nada.

Em novo arroubo de imoralidade política, absoluta falta de respeito também com o povo sofridíssimo do Maranhão, a Exma. Sra. governadora cria quadro funcional com 44 (quarenta e quatro) servidores para a dita "afundação"! Isso significa, para os mais simples, que mais 44 servidores do estado do Maranhão estarão mamando nas tetas do Erário. Coisa recente, de julho de 2012.

Enquanto isso... acreditam que os maranhenses execram a oligarquia da família Sarney? Algum desatento dirá - "mas ele é senador pelo Amapá!". Tolinhos!!! O homem está preparando o próximo feudo!!!!!

Vocês acreditariam que o custo da manutenção da tal "afundação", que beira R$ 1.000.000,00 anuais, poderia resolver o problema dos baixos salários dos professores daquele estado? Se dividido, esse montante poderia socorrer a Educação e também a segurança (a PM de lá esteve em greve recentemente).

Sabem, meus irmãos? Há crianças subnutridas no Maranhão (assim como em outros lugares do Brasil); há neonatos morrendo nos hospitais do Maranhão, por falta de condições operacionais (idem, ibidem); há escolas caindo aos pedaços no Maranhão... (....).

É, para que sejamos economicos, imoral, o que se suporta do feudo Sarney. Que loucura é essa, em que mais de 6 (seis) milhões de brasileiros são espezinhados sistematicamente, tornados em massa de manobra, sobrevivendo em estado de necessidade permanente (a maioria deles), enquanto candidamente o feudo vai se apoderando das entranhas trabalhadoras desse povo?

Duvidam que esses 44 servidores sejam escolhidos a dedo, ao invés de selecionados em concurso?

Ora, que diabo, se a Sra. governadora viu "periculum in mora" sobre os bens da fundação, porque os não levara para sua casa? Afinal, são coisas que pertenciam ao seu ilustre pai! Porque o estado TEM QUE CUIDAR?

Brasil, não admito essas imoralidades de teus políticos. Não coaduno com a vileza que o Sr. Sarney perpetra contra gente humilde que vê nele um santo, e votam sistematicamente em si, coisa típica de voto de cabresto. Não posso me acomodar sem comentar isso. Talvez apareçam alguns brasileiros mais, honestos minimamente, descompromissados com esse ou aquele político, que encampem meu discurso...

Cabe aqui uma constatação sobre os deputados estaduais maranhenses, exceto 8 deles. Meus caros, ou vocês têm o "rabo preso" com aquele senhor e sua família, ou são frouxos - das duas uma. Não acredito de jeito nenhum que não veem onde aplicar os recursos do estado do Maranhão!

Como dissera Martin Luther King, de saudosa memória: "O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons."

sábado, 21 de julho de 2012

ESTADO PATERNALISTA VERSUS ESTADO EFICIENTE

Embora um certo ufanismo esteja eletrizando as massas no Brasil, tenho certeza absoluta que muito da classe B, e todos os da classe A têm um desconforto total com os programas sociais que temos visto pipocar aqui e acolá.

Claro! Como entender um Estado que distribui "bolsas" e "auxílios" a torto e a direito, quando sabemos que muitos dos beneficiados com isso continuam sem intenção de modificar suas vidas sofridas, e permanecem pedindo esmolas por aí? Como entender que um mendigo de semáforo, se for "dedicado" pode receber até DUAS VEZES o salário minimo magérrimo, com descontos que pais de família sérios recebem ao final do mes?

É incompreensível, mesmo. Tentemos destrinchar o pacote.

Nossa nação brasileira sofre desde décadas atrás de modelo anacrônico, suicida, estúpido mesmo. Fruto de acordos políticos e de mentes oligárquicas, a noção dominante não é consertar o que está errado - o que se busca, sempre, é remediar o erro, e ir levando, empurrando com a barriga.


Uma verdade duríssima é que sustentar o erro é mais caro do que fazer o certo. Acontece que o que é correto se sustenta por si, e o errado depende de suportes externos SEMPRE. Vejamos...

SE nosso sistema de ensino fosse eficiente, com professores melhor preparados e suportados pelos recursos (fartos!) que temos hoje em dia, as escolas públicas não estariam da maneira como estão, nem o ensino no Brasil seria tão caro. Nosso povo estaria melhor aculturado, teríamos menos desocupados por aí... todo um derivativo de vantagens.

SE nosso sistema de saúde fosse eficiente, com recursos direcionados para estruturação desde a base, teríamos condição de melhores hospitais, mais equipados, e equipes médicas e/ou hospitalares melhor remuneradas, mais preparadas. Resultado? Menos gente doente, entupindo os hospitais, menos "acidentes" fatais dentro das enfermarias.

SE nosso sistema de trânsito fosse planejado desde a base, e provido de recursos adequados, não teríamos essas rodovias "da morte" que temos por aí, como a Régis Bittencourt, a BR 277, no Paraná, e outras. Alguém por aí já ouviu falar em "rodovia da morte" na Alemanha? Teríamos motoristas mais disciplinados, motoqueiros menos suicidas... sem falar em rodovias melhor pavimentadas, monitoração total...

SE nossa segurança pública tivesse planejamento estrutural, desde instalações até preparo da corporação e melhor remuneração, passando por equipamento de escritório e veículos, teríamos com toda a certeza menos impunidade, menos policiais corruptos, menos recursos atulhariam o Judiciário, menos atendados à população gay, por exemplo...

Pessoas, o que eu expendi acima não é algo fora do alcance. O orçamento da União e demais órgãos da Federação brasileira é fragmentado em ações "tapa-buraco", ou emergenciais... Estamos SEMPRE CORRENDO ATRÁS DO PREJUÍZO. Não que não falte recurso, entendam - o problema é que o dinheiro é direcionado a dar um "tapa" no visual da situação, mas os problemas permanecem, subjacentes.

Há países em essas coisas são asseguradas pelo Governo. Noruega, Canadá, por exemplo... E FUNCIONA!!! QUE SURPRESA!

Não me importaria em pagar impostos altíssimos, dos mais altos do mundo, se soubesse que meus recursos e os de outros sofredores fossem bem empregados.

Conversando com uma autoridade americana, eu me maravilhava do sistema de identificação fantástico que eles têm por lá - o cidadão informa sua carteira de motorista (a esmagadora maioria dos adultos a têm) e/ou número de seguro social, e... PRONTO! As autoridades sabem tudo sobre o cara, desde o nascimento até alí, passando por situação de crédito, condições da família, tendências políticas... O homem me disse que na década de 50, do século passado, o FBI começou o projeto.

Senti santa inveja.

Aqui o que temos em termos de identificação é literalmente uma "zona". Para você se inscrever em algum lugar, precisa de RG, CPF, TE e comprovação de voto, certidão de nascimento ("orra", isso está no RG!) ou casamento, CTPS às vezes, Cert. de Alistamento para os homens (as mulheres ainda estão livres desse encrenca documental)... Uma burrice burocrática que nossos brasileiros ilustres ainda não resolveram.

O problema, volto a lembrar, não é novo. Mas a coisa irritante é que os zeladores* da "casa da mãe joana", vulgarmente chamada Brasil, com endereço no Planalto Central, na verdade zelam pela manutenção do caos. As vozes eventualmente distoantes não encontram eco.

E o povo, em sua estupidez bovina, vai caminhando, como reses em direção ao matadouro - matadouro de vidas, de futuros, de sonhos, de alegrias... podem rotular... e a galera de Brasília* desvia recursos, previlegia apaniguados, despesa verbas em projetos perdedores e... viaja pro exterior! Simples assim...

Brasil, torço para que as futuras gerações saibam lidar com o pepinal. Nossa geração não sabe.

*preciso destacar aqui que há exceções. Gente como Cristóvam Buarque, Pedro Simon, Reguffe, Rossoni, dentre outros que não me lembro aqui...



quarta-feira, 18 de julho de 2012

MÚSICA E VIDA DE BRASILEIRO

Transcrevo aqui, com muito prazer, crônica do meu amigo, Dr. Antonio Valeriano, funcionário público aqui em Londrina - Pr.


Crianças, lidamos com a verdade de verdade, choramos, rimos e desprezamos a maldade;

Pensamos em crescer, pois não sabemos quão mais colorido, tranquilo e melhor é o mundo das crianças;
A adolescência é maravilhosa, somos super-homens, sonhamos, nos apaixonamos, sabemos tudo e nada pode nos impedir;
Escola, cinema, esportes, brincadeiras, somos o centro do mundo – tudo gira em torno de nós – que fantástico;
A juventude chega e junto vem a percepção de que não somos tão super; alguns sonhos vão embora, outros morrem e nascem aqueles mais realistas, palpáveis;
Jovens, discernimos, cristalinamente, o certo do errado e acreditamos num mundo melhor; compreendemos que nem todos tiveram a felicidade de nascer onde nascemos, começamos a enxergar os pobres, os miseráveis, os excluídos e tantos outros;
Na adolescência e na juventude muitos se vão das formas mais estúpidas, afinal a estupidez não conhece limites (drogas, acidentes, assassinatos, etc).
Adultos, constituímos família e buscamos, estupidamente (de novo), riqueza e poder, até que compreendamos (e isso nem sempre acontece) que, por este caminho, não chegaremos a lugar algum – a pobreza, provavelmente, nos fará reclamar e a riqueza, fatalmente, nos entediará;
Com poder e riqueza nossa propensão será: mais oprimir do que amar, dar as costas a estender a mão, acumular mais e mais e não repartir, buscar outras faces e esconder as nossas;
Então, já não sabemos onde nos reconhecer: Se na foto passada ou no espelho de agora;
Perguntamos se hoje é do jeito que achamos que seria? Listamos nossos sonhos e nos assustamos com tantos que desistimos de sonhar;
Pensamos em todas as cachaças que engolimos, na fumaça que tossimos e andaimes de onde muitos partiram;
E, por maior que seja nosso esforço, esta agonia, não conseguimos entender, pois é difícil acreditar num país que não tem governo, que não tem vergonha, que não tem juízo, que não tem decência e, certamente, nesse caminho, nunca terá;
Nesta terra, onde quem tem um olho é rei, é fácil imaginar que tem os dois; é a mesma história, tantas vezes lida, tudo no mundo é frágil, tudo passa... Será?
Hoje, ante a tudo isso, caminho devagar, porque já tive pressa e levo esse sorriso, porque já chorei demais. Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe; eu só levo a certeza de que muito pouco sei, ou nada sei;
Espero que a morte daquilo em que acredito não me tape os ouvidos e a boca e que uma simples alegria baste pra aquietar meu espírito.
Baseado em músicas brasileiras.

terça-feira, 17 de julho de 2012

O SR. NILTON PAIXÃO E SEUS SEGREDOS

Recém sancionada, a Lei de Acesso à Informação está  tirando o sono de algumas centenas de funcionários públicos. E agora nos vem a notícia de que o SINDILEGIS, que arregimenta os funcionários do poder Legislativo, capitaneados pelo Sr. Nilton Paixão, pretendem representar onde for preciso, para evitar sejam seus salários e gratificações publicados. Confiram no excelente blog de Josias de Souza - http://josiasdesouza.blogosfera.uol.com.br

Alegam que a exposição pode açodar a bandidagem. Que se está violando o direito à privacidade e intimidade dos servidores.

Contra isso, já se comentou à exaustão que a exposição terá cautelas, visando proteger, justamente o que reclamam estar em risco.


Mas a motivação da grita é outra.

A palavra "marajá", tão utilizada e execrada há alguns anos, acendeu a luz amarela no painel da moçada, e o fisiologismo falou mais alto.

Penso que uma das mais elementares informações a respeito de um empregado seja o quanto ele custa ao empregador, seja para decisões estratégicas, ou até mesmo para premiação a algum colaborador de destaque.

Ora, Sr. Nílton, se os srs. são funcionários públicos, como não querem que seus patrões saibam quanto ganham? Que loucura é essa?

Saiba o Sr. que exatamente por isso - falta de transparência com a coisa pública, e em particular os recursos - é que estamos chafurdando nesse mar de corrupção infernal, que mancha quem dele se aproxima. E por vias enviezadas, há suspeitas no meio do povo de que muitos funcionários públicos ganham demais e trabalham de menos!

Não, o Sr. nem seus representados são culpados. Esse "status quo" foi urdido há algumas décadas por um grupo de degenerados egoístas, sem nacionalismo algum, vestidos de mercenários, que montaram a estrutura cheia de tetas em que se penduram sanguessugas.

Mas não é porque não sejam culpados que vamos evitar medida que pode ser saudável para todos. INCLUSIVE PARA PROTEGER A RESPEITABILIDADE DO FUNCIONALISMO PÚBLICO. Espero que os integrantes do SINDILEGIS entendam - a Lei de Acesso à Informação propiciará separação do joio do trigo, apontará distorções salariais... e por aí vai.

Trabalhar nem todos gostam, mas... quem não gosta de uma teta?

quinta-feira, 12 de julho de 2012

D. DILMA, A SRA. ESTÁ CERTA!

Em manifestação pública em conferência (a nona) de direitos da criança, etc e tal, a Sra. Dilma Roussef externou que um país deve ser medido pelo que faz a suas crianças, não pelo que produz.

Nossa presidente está 100% correta! Na verdade a extensão de tal declaração é ampla, quando alcança homens e mulheres que já foram crianças...

Em algum lugar de seu pronunciamento, nossa presidente enfatizou que o Brasil será um país desenvolvido quando suas crianças e jovens tiverem educação de qualidade. Mais uma vez, corretíssima, o fator humano é que vai resultar nos desdobramentos materiais, políticos e econômicos.

Mas essas mesmas crianças estão morrendo por falta de atendimento nos hospitais da rede pública, de maneira geral sucateados, e mal administrados. Essas mesmas crianças e jovens estão tendo simulacro de ensino fundamental, a ponto de não ser possível alguém egresso do primeiro grau conseguir fazer mera subtração de tres dígitos.

São essas crianças, Sra. presidente, que são acalentadas por traficantes, e embaladas no sonho da marginalidade, estão em pouco tempo se voltando contra o resto da sociedade, que assiste a tudo "em berço esplêndido (?)".

Essas crianças padecem de falta de segurança, de condições mínimas de sobrevivência, de dignidade.

Enquanto isso, na "Ilha da Fantasia", também chamada de Capital Federal, e em suas sucursais pelo Brasil afora, políticos imorais em sua maioria desviam recursos, manobram licitações em benefícios de seus sequazes civis, vilipendiam nossa gente de toda maneira, e aparecem posando de bons moços periodicamente, a cada quatro ou oito anos.

Excelência, preciso, a bem da verdade, fazer uma outra colocação, tão incômoda para V. Excia. quanto o será para mim, ao exprimí-lo - os programas "isso família, aquilo família, bolsa isso, bolsa aquilo" não resolvem os problemas gravíssimos de nossa gente. O efeito mais expressivo é a drenagem de recursos do Erário.

Disse que a opinião é incomoda de eu expressar e V. Excia. tomar conhecimento, porque um contingente de milhões de brasileiros discordaria de mim e de uma eventual redução da oferta desses lenitivos sociais.

O ponto é exatamente esse - esses programas não resolvem a má administração subjacente, nem eliminam o descaso reinante, funcionam como um curativo, bonito a princípio, mas que oculta uma ferida aberta que, mais dia, menos dia, macula o(s) curativo(s), de forma irreparável.

O ideal é uma reforma de base, Excelência, e que com certeza milhares de pessoas já deve ter recomendado. Um acordo com o Judiciário, para se evitar batalhar recursais, e o uso discricionário do Direito Administrativo. Excelência, nossa gente ESTÁ MORRENDO, no meio de um monte de programas!!!!

Brasil... somos ridicularizados mundo afora, recentemente alguém arriscou dizer que a propina (bribery) é algo cultural nosso... COMO É QUE FICA? Os poderes constituídos não vão salvar mesmo nossa gente?


O EXEMPLO VEM DE CIMA

A Dra. Yara de Castro, ao ter o veículo onde viajava, conduzido por sua filha Roberta, detido por blitz da PM em São Paulo, demonstrou descortesia extraordinária, pelo que sabemos.

Ao recusar-se a fazer o teste de embriaguez, a filhota da digna desembargadora concitara a senhora sua mãe a mostrar às autoridades em serviço "quem nós somos".

Cláudia, de uma pobreza absoluta o teu procedimento. Dra. Yara, de lapidar grosseria o insinuar que era autoridade - digamos assim - superior àquelas que alí estavam.

Porque, prezadas, a manifestação da filha demonstra a falta de cultura de nossa gente, mesmo os melhor aquinhoados, quando, em situação de confronto, o que sabem é reagir com imprecações e ameaças veladas.  Essa moça em nada difere dos que pedem esmola nos semáforos, e ao não serem atendidos, amaldiçoam os passantes. Não ficou longe dos torcedores que xingam o juiz ao considerarem uma marcação incorreta. Em suas mais baixas manifestações.

A manifestação da Exma. desembargadora exprime de maneira abominável a ostentação de poder com finalidades puramente pessoais, fisiologistas, a saber - "sou AUTORIDADE, tenho imunidade". Como assim?

Naquele momento, autoridade eram os policiais em redor, fazendo o trabalho deles, sujeitos a agressões armadas de criminosos, se alí passassem. Com certeza não lhes passava pela cabeça a agressão de uma desembargadora e sua filha, que naturalmente não considerariam criminosas. Eles estavam alí tentando, na forma da lei, oferecer segurança às senhoras, e aos milhões de cidadãos que povoam São Paulo. Não estavam brincando de polícia-e-ladrão, não estavam para achacar ninguém, possivelmente nem sabiam quem era a senhora, Dra. Como lhes faltariam ao respeito?

NO mesmo passo, senhoras, estou TOTALMENTE seguro de que a policial Cláudia não foi deseducada ao abordá-las. E, Roberta, qual é o problema em realizar o teste do bafômetro? Teria uma ótima chance de demonstrar depois, nas rodas de amigos, o quanto você é civilizada, pense nisso! Quem não deve, não teme! OU SERÁ QUE VOCÊ NÃO PODERIA FAZER O TESTE? Se não havia motivo para não fazer o teste, recusá-lo é sem sombra de dúvida demonstração de estreiteza de espírito, para não colocar algo mais enfático e contundente.

(vale dizer que, a crer na mídia, caronas que até então também estavam no carro demonstraram mais civilismo e responsabilidade, do que a Exma. doutora e sua filha temperamental).

Em suma, Excelência, a ocorrência foi um completo tratado da falta de civilismo. O que é pior, veio de uma categoria social que se supõe esclarecida, e de uma área profissional que se supõe cumpridora da lei.

EM TEMPO: Se os fatos não foram esses, ou dessa maneira transcorridos, preciso ser esclarecido, e me retrato, não tenho o menor problema com isso. Preciso, afinal, acreditar na mídia que divulgara o feito. Mas... enquanto isso, fica aqui a crônica.

Brasil... o que dizer de ti, se até quem deve fazer justiça, afronta essa mesma justiça?

CORRUPÇÃO E SUAS DERIVAÇÕES

Um bordão humorístico de alguns anos atrás repetia assim "fica vermelha, cara sem vergonha!".

Pois então. Cabe direitinho na figura da maioria dos brasileiros, na maioria dos políticos, e na Justiça brasileira. As motivações para esses contingentes se envergonharem são: nossa cultura desgraçada do "jeitinho"; o mau exemplo vociferado das tribunas do Congresso (por exemplo "mentir não é fala de decôro"); e finalmente, na leniência oficial da justiça em punir exemplarmente quem lhes surge à frente, bem como a abundância de recursos IMORAIS com que são proteladas decisões dos magistrados.


O que aconteceu? Olhem as manchetes. Os advogados da FIFA, confrontados com a realidade do suborno cometido, beneficiando os Srs. João Havelange, e Ricardo Teixeira, candidamente ponderam que na África e no BRASIL o suborno faz parte do cotidiano, muitas vezes faz parte do pagamento. Diziam que seria praticamente impossível reaver os valores pagos em suborno, dado o tal hábito sulamericano. E dizem que é cultural!!!

Como é que é isso? Pessoas, isso NÃO É CULTURA. É uma excrecência comportamental (se pudermos rotular assim), da mesma maneira que sexo bestial, a mutilação de mulheres africanas, as "festas do boi" da Espanha...


É algo intolerável, do ponto de vista da razão. Mas, principalmente, no caso em exame, é algo que está enxovalhando uma nação inteira.


Antes de mais nada, preciso pontuar que os responsáveis primários por isso são eu e vocês. Que nos acomodamos em nossos sofás de qualidade abaixo da crítica (segundo o primeiro mundo), e ao assistirmos a telinha, só criticamos, mas ninguém tem coragem de ser proativo, e dar exemplo.


Mas eu preciso mais uma vez vergastar as autoridades constituídas no Brasil. O Executivo, por exemplo, deve pedir aos advogados da FIFA para que comprovem que isso é cultural. 


O Legislativo precisa expurgar de seu meio aqueles sanguessugas do Erário, que fazem da corrupção meio de vida, e mostrar que temos HOMENS E MULHERES DE VALOR, nessa nação.

O Judiciário tem urgência de rever institutos processuais dos crimes de colarinho branco, porque desde que me entendo por gente, tivemos uma dúzia, talvez, de engravatados condenados, e muitos menos obrigados a devolver o que sua cupidez amealhara.

Com a palavra os TRES PODERES, que costumam chamar o Brasil de República (para o exterior não passamos de republiqueta).

quarta-feira, 11 de julho de 2012

ENCONTRARAM DOIS CORRUPTOS

A justiça suíca acaba de divulgar dossiê de processo em andamento naquele país, que dá conta de que o Sr. Ricardo Teixeira e seu respeitável sogro, o Sr. João Havelange, teriam recebido somas consideráveis da principal parceira da FIFA, a ISL.

Notem, pessoas... quem fez a garimpagem da mutreta foi a justiça suíca. Há notícias de que os dignos senhores acima citados teriam feito um acordo há algum tempo atrás, para não terem seus nomes divulgados (que feio, hein?). Mas então, sob pressão da imprensa, decidiu-se abrir a informação.

Então, resta sem muita divagação a descoberta. Pronto, se considerou corruptos, aqueles senhores. E AGORA?

Com a palavra as autoridades. A pergunta que não quer calar é a seguinte - corruptos são encontrados, não restam dúvidas, E FICA POR ISSO MESMO?

Ok, não temos ingerência nos procedimentos judiciais de uma nação soberana. O Sr. João Havelange tem dupla cidadania, então, até certo ponto fica além do alcance da Justiça brasileira.

Mas... será que a chuva de acusações sobre o Sr. Ricardo Teixeira, que culminou com sua renúncia ao posto de presidente da CBF, não merece uma investigação cuidadosa? Ou mais cuidadosa?

Não tenho nada pessoal contra ninguém, só acho que estão fazendo os brasileiros de palhaços SISTEMATICAMENTE. Aí nós todos ficamos com cara de B U N D Ã O, enquanto os espertos rapazes vão desfrutar do botim.

Alguém vai dizer "mas o dinheiro era da ISL!". Calma lá. Alguém com um posto de tamanha visibilidade, ao se dobrar aos "dobrões" da corrupção, na pior das hipóteses desdenha da lei, cospe na cara dos brasileiros (no caso, os amantes de futebol), desmerece nossa gente, de modo geral.

Com a palavra o MP.

COMPROMISSOS E COMPROMISSADOS

Pipocam aqui e acolá pedidos de Habeas Corpus em favor da suspensão de prisão preventiva de pessoas envolvidas nos mais diversos crimes, sob alegações as mais diversas... até aí tudo bem. Recurso alcançável por qualquer brasileiro.

Penso que existe uma imparcialidade estranha, no momento de relaxar ou não prisão de suspeitos.

Vejam, meus amigos, é diferente o relaxamento de prisão de uma mulher, mãe de filhos, muitas vezes desempenhando atividades humildes para sobreviver e que cometera o ilícito de conduzir consigo 5 g de maconha para seu parceiro detido, DAQUELE colarinho branco, ou militar de qualquer força, que fora encontrado envolvido em crimes de genocídio, tráfico (coisa organizada, grande), descaminho, prevaricação, corrupção ativa ou passiva, e por aí vai.

A diferença? Acontece que aquela mulher humilde NÃO TEM PRA ONDE IR. Enquanto que os bonitinhos em geral TÊM poder político, financeiro, capacidade de achacar testemunhas e/ou autoridades envolvidas... e principalmente capacidade de sumir do mapa. Ela nem sequer será postulante, esses em geral são atendidos (exceção a mencionar, justiça seja feita, à recusa de atendimento a HCs ao Sr. Carlos Augusto Ramos).

Mas agora vem a parte mais prosaica da história - ESSES MUITAS VEZES veem sua pretensão atendida, e se acham livres pra ir pra onde lhes aponte o nariz. ENQUANTO AQUELA MULHER nem sequer tem quem a represente em juízo!!!! E fica mofando na cadeia, sujeita a todo tipo de violência, enquanto seus filhos passam a enfrentar esse mundo duríssimo da marginalidade social, mendigando, se prostituindo, servindo de "vapor" para traficantes!

Pelo amor de Deus, me digam que eu estou errado.

E aí vem um componente no mínimo ridículo - os engravatados que recebem o benefício do HC SE COMPROMETEM (Ah, faz-me rir!) a comparecer a audiências, a NÃO SAIR do país, a submeter-se aos ditames da lei... Ora, senhores, me enganem (mas eu não gosto!).

Sinceramente, a meu ver isso é um aspecto de leniência legal da lei. Tratar com igualdade desiguais dessa maneira se me afigura uma torpeza oficial de tamanho inigualável.

Brasil, onde a Justiça NÃO é cega, ao contrário - olha capacidade de pagamento, olha poder político, olha influência social... quando mesmo você vai amadurecer, Brasil?

terça-feira, 10 de julho de 2012

SINDICATOS PERVERSOS III

Ao longo dos últimos dias tenho dispendido meu vernáculo apreciando as idas e vindas dos sindicatos de modo geral.

"Quem não aprende com os erros do passado está fadado a repetí-los" (atribuído ao Gen. George Patton). Essa máxima tem uma lição tão límpida e clara que me causa espécie o quanto nós passamos distante dela. Claro, nossa gente brasileira em sua maioria nem saberá quem foi Patton, ou o que ele quis dizer, na conjuntura em que se expressou. Então, cumpro o dever de "acender a luz na escuridão" e, humildemente tentar ampliar o foco em torno dos significados implícitos.

O movimento sindicalista TEVE seu momento histórico. Logo após a revolução industrial a sanha da burguesia recém alçada ao poder se transformara numa outra modalidade de poder feudal, agora restrito aos galpões das fábricas ou as fazendas, e os empregados eram sobremodo sacrificados. Os filmes "Daens", "Matewan" e "Bread and Roses" talvez ilustrem - ainda que não claramente, até porque a coisa neles é meio romanceada - as condições do relacionamento patrão-empregado na segunda metade do século XIX e na primeira do século XX.

Entretanto, "domados" até certo ponto os patrões, em nível (de passagem - a expressão "a nível" É ERRADA, nessa acepção) relacional, os gestores do movimento sindical perceberam a força tremenda que tinham sob seu comando, e que passaram a usar a seu serviço. Ainda registrado no cinema encontraremos exemplos bem próximos da realidade em "On the Waterfront"(com Richard Burton) e "Hoffa"(Jack Nicholson). Se meus leitores tiverem o cuidado de conferir essas obras excelentes, terão idéia das derivações de poder e foco de ação que passariam a nortear a imensa maioria dos sindicatos. Penso que UMA exceção moderna escapa ao lugar comum do poder oligárquico - o icônico sindicato "Solidariedade", cujos primórdios estão retratados no filme "Man of Iron" (de Andrezj Wajda - não o do super-herói), que mudou a história de uma nação ordeira, educada e sofrida, PARA MELHOR.

Engolir o que os sindicatos modernos tentam nos impingir é um erro que provar-se-á fatal, a longo prazo. A degeneração social, fundada na liberalização total, transformará esses organismos - parciais, facciosos, eu diria muitas vezes ilegais - em monstros que hão de massacrar impiedosamente suas bases, que cometem o erro da submissão sem discutir. O tempo vai dizer se Patton estava certo ou não.

Brasil, de sindicatos imorais, de partidos idem, de um povo amordaçado... te amo, mesmo assim.

segunda-feira, 9 de julho de 2012

SINDICATOS PERVERSOS II

Na crônica anterior eu comentava da cupidez dos sindicatos, de maneira geral, e de eles usarem a base como "massa de manobra."

E não é que esses meninos levados não me frustraram? Acreditem ou não, tem dirigente sindical querendo conclamar suas bases a saírem às ruas, em defesa dos réus do MENSALÃO!!!!!!!

Que loucura é essa? Se querem proteger os caras, que vão lá! Mas colocar o couro de sofridos, espezinhados trabalhadores a serviço daquela corja? O QUE É ISSO? ALGUÉM CHEIROU COLA?

Senhoras e senhores, será o fim da picada se trabalhadores forem convocados a saírem às ruas para defender... CRIMINOSOS!!!!

A pergunta que não quer calar é... a quem isso aproveitaria? Vocês acham mesmo que a base vai ter alguma vantagem, em segurar a onda daqueles salafrários? Eu lhes digo - NENHUMA.

Continuarão vivendo suas vidas sofridas, tendo serviços de Saúde, Segurança, Educação solapados por desonestidades cometidas a torto e a direito, no mesmo nível do "Mensalão". E não me venham dizer que a coisa é política, porque o nome continua sendo crime.

Quem vai se beneficiar com o beneplácito dos defendidos são as lideranças sindicais, que estarão então pavimentando o caminho para si. Me digam que eu estou errado, me chamem de alienado. MAS, antes, olhem os exemplos que temos.

Tentem encontrar um ex-dirigente sindical que vista mesmo a camisa dos sindicalizados. Vão encontrar um bando de dissimulados, que vestem a camisa dos partidos, e se bandeiam de opinĩão com a facilidade com que prostitutas trocam de freguês. Me digam se estiver errado, mas já ouvi um depoimento triste de um político - "nós votamos o que é consenso no partido."

Entendem? Não é o que é justo ou benéfico para o povo, é o que é favorável AO PARTIDO. Ah, moleques, eu conheço vocês!

Brasil, de homens públicos podres por dentro, brilhantes por fora... como tua gente sofre por causa desses pilantras...

SINDICATOS PERVERSOS

Como é do conhecimento de todos temos alguns milhares de funcionários públicos de braços cruzados, em ordem de greve, por reajustes - motivo principal, e outras demandas de somenos.
O governo federal aparentemente não negocia com os grevistas. Disso reclamam os sindicatos.
Primeiramente, preciso parabenizar mais uma vez nossa presidente, Sra. Dilma Roussef, pelo desassombro com que tem encarado o imbróglio. A despesa administrativa oficial é altíssima. Não olvido da necessidade de reajustes serem realizados, mas penso que de vez que estamos vivendo outros ares, precisamos ter outros mecanismos para reivindicar o que precisa cada brasileiro.
Sobre os sindicados, um brevíssimo resgate (acontece que eu fui representante sindical e sei como a banda toca). Essas estruturas foram pretensamente criadas para defesa dos direitos de seus aderentes - é importante notar que a associação a sindicato é livre, embora a contribuição sindical, aquela que nos é cobrada (eu não disse extorquida?) por lei anualmente não o seja.
Pois bem, a partir de um corporativismo focado, lá pela década de 50 do século passado, modernamente temos criaturas mais poderosas que seus criadores. E essas criaturas agora não estão aí para benesse, não senhor! O que se pugna por ter é PODER. Então, vemos sindicatos apoiando essa ou aquela vertente, sendo utilizados mesmo para manipulações na hegemonia partidária, e naturalmente para alçar nomes à esfera política maior.
Porque digo isso? Porque as massas que a qualquer título se organizam sob alguma égide sindical estão sendo sistematicamente USADAS. Porque as cúpulas de cada sindicato planejam, ouvem a base por ouvir, mas eles são quem dita as regras. Se alguém for demitido, será muito longe dos gabinetes, no ar condicionado dos que não colocam o "couro na chuva". Então, uma vez eleitos, seja qual for o cargo político, se tornam componentes da máquina que costumam criticar nas assembléias. Um vociferar tão inócuo quanto prolixo, e repleto de "questões de ordem".
Ingratos, esses dirigentes sindicais. Historicamente ingratos, a começar pela ingratidão cometida contra o Sr. João Goulart, nos primórdios. Ingratos, porque a eles não interessa MUDAR NADA. Senão já teriam mexido nessa estranheza legal chamada CLT - já teve sua utilidade, hoje não mais. Ingratos porque se limitam a considerar quantas serão as baixas (demissões), para planejar o próximo passo. Ingratos, senhores e senhoras, porque nós lhes pagamos o salário - e bem pago - e eles fazem como fazem os inimigos da democracia brasileira (me refiro aos políticos que exibem fisiologismo e descaso com seus eleitores). Não mudam nada, até porque tal "status quo" lhes interessa.

  

quinta-feira, 5 de julho de 2012

LEI DA FICHA LIMPA... O QUE É ISSO MESMO?

Chora, esperneia, Brasil. Como dissera Charles De Gaulle, o Brasil não é um país sério. Pode até estar tentando ser, mas está longe do alvo.

Tomei conhecimento de que sem alarde algum, o TSE decidiu, em 28.06.2012, que candidatos a cargos eletivos, com contas reprovadas no dito Tribunal, não serão impedidos de se candidatar, em razão das contas sob suspeição.

Meus irmãos, me sinto traído pelo TSE. Alguém pode criticar o Min. Dias Toffoli (alguns já o fizeram), mas ele foi só um voto de "minerva" na questão, pois até seu voto a decisão estava com empate de tres a tres. Então, na verdade ele deu  o "tiro de misericórdia" na expectativa de lisura do processo eleitoral.

Os Ministros Henrique Neves, Gilson Dipp (olha... eu era fã desse senhor) e Arnaldo Versiani basearam seus pareceres na circunstância de que a Lei eleitoral (9504/97), combinada com a lei 12.034/09, já estatuía a tutela legal apropriada. E que assim, a simples apresentação da prestação de contas (não importando sua correção) já saneava a questão. Jogam nas costas do Ministério Público a tarefa de representar contra quem apresentasse ilicitudes nas contas de campanha.

Sabem, Excelências? Os Exmos. doutores não fizeram favor algum à democracia. Ao contrário, medidas como essa é que propiciam essa babel infernal que são nossos tribunais. Agora, acompanhem meu raciocínio - diz a Lei 9504 (corroborada pela Lei 12.034) que representações contra contas reprovadas, se não julgadas dentro de 5 anos permitem a extinção da punibilidade. Adivinham se não teremos convenções intermináveis blindando alguns medalhões? Imaginem se os dignos representantes do Ministério Público, assoberbados com ilícitos de toda sorte, vão se meter no buraco negro onde os Ministros do TSE não quiseram entrar?

Com isso a Lei da ficha Limpa vai ficando no limbo esquisito de sonhos desfeitos, de menos vagabundagem nos círculos políticos, de lideranças minimamente comprometidas com o povo - ora, se fraudam contas de campanha, os prezados acham que esses facínoras vão respeitar recursos que não saem de seus bolsos? Se, ao invés, a apresentação de contas irregulares fosse peremptória para impedir candidaturas (algo com efeito de súmula vinculante, de outra forma não funciona), teríamos da noite para o dia um surto de honestidade jamais visto! (um sonho...)

Dr. Toffoli, essa agora é para o Sr. Nada obstante as reservas extraordinárias ventiladas quando da nomeação de V. Excia. para o STF, muitos milhóes de brasileiros viram na pessoa do Ministro uma chance de renovação, ao espírito desses centuriões desassombrados que estão fazendo história no Ministério Público. Supunhamos que o Sr. se tornasse paladino da justiça, juntamente com seus pares (outros tantos em quem temos confiado, nada obstante os tropeços).

O Sr. tem nos surpreendido (aos brasileiros) sistematicamente, com votos, no mínimo extravagantes. Em nome de imparcialidade, nossa Justiça tem sido parcial. Em nome de defender direitos humanos, os direitos de quase 200 milhões de brasileiros tëm sido solapados, sistematicamente pisados por pessoas que são protegidas candidamente por institutos legais ajustados para tal. Façam-me um favor, acham mesmo que alguém vai se importar em apresentar contas aprováveis? Claro, os mesmos, que o fazem já por questão de dever de homens públicos, continuarão fazendo. Já os demais... o tempo o dirá.

Dr. Tóffoli, tenha a coragem de ser livre de quem o nomeou. O Dr. não lhes deve muito. Ao contrário, tanto V. Excia. quanto os pares de V. Excia. devem e muito canetadas mais enérgicas, mais sérias, mais espartanas.

Nosso Brasil é conhecido no exterior pela enxurrada de recursos passíveis de se interpor, nos mais variados processos. Pois bem, os Srs. do TSE  acabaram de criar mais mecanismos da espécie. Espero que se arrependam...

VÃO CHORAR NA CAMA...

Servidores aprovados em concurso do TRF-1, que tinham sido convocados a assumir postos em Gurupi, no Tocantins, reclamam da cláusula de vedação de transferência contida originalmente no Edital a que atenderam.
Tal insurgência não deveria sequer ser considerada, pelos órgãos envolvidos, porque não há o menor cerceamento de direito, sequer. Afinal, os "engraçadinhos" com toda a certeza se sujeitaram à alocação nas vagas ora ocupadas. Nenhum edital teria o condão de lhes atribuir nomeação para localidade diversa do acordado - aí sim, teríamos arrepio à normalidade da Lei.
Por outro lado, é sabido que o provimento de vagas em algumas localidades do Brasil é realmente complicado, dada a ausência de interessados em para lá ir, e/ou exatamente pela rotatividade alta de tais posições, tocadas pela vontade de mudar de ares de servidores para alí nomeados.
temos aqui, nada mais, nada menos que o interesse público versus o interesse particular, privado. Os espertos calcularam o seguinte: "concorre-se, e uma vez lá onde o vento faz a curva se suscita questão administrativa."
Acontece que, por essas inconsistências da vida, abre-se novo certame para praças desejadas pelos signatários do Mandado de Segurança. O que fazer?
Se os magistrados começarem a atender a pedidos de grupos, por mais estribados que sejam na letra da lei, simplesmente por um fato novo NÃO obsolescente da Lei, temos uma subversão à ordem pública. Desdita de uns, benefício de outros. O que não se pode fazer é bagunçar ordens estabelecidas de forma cristalina e principalmente, ACEITAS pelos reclamantes.
E que os ilustríssimos servidores pensem doravante em suas escolhas. O Estado não pode ser ama-seca de seus órgãos.

UM EFEITO CASCATA INDESEJÁVEL - SAÚDE NO RN

Essa é para o Executivo, se bem que fustigue de algum modo nosso Legislativo.
Já há alguns dias tenho lendo matérias sobre as dificuldades da Saúde Pública no estado do Rio Grande do Norte. Não precisaria ir muito longe para constatar esses apertos. Aqui mesmo no nosso estado do Paraná temos problemas no serviço público de saúde.
Mas... o governo do estado do RN decretou estado de calamidade pública na Saúde daquele estado. Doentes demais, médicos de menos, instalações de saúde precárias - toda a santa semana alguma notícia relacionada a mau atendimento em hospitais da rede pública aparece. A coisa engraçada é que quase não há problema com a rede privada (parece óbvio?).
Enquanto isso... o pessoal de Brasília parece estar na Ilha da Fantasia, onde centenas de "Mr. Roarke" se pavoneiam de bons moços, e servis servidores se prestam ao papel de "Tattoo". Eles não têm problemas de saúde. Seus destemperos somáticos são curados mediante alentadas contas na rede privada. O grande problema é que a Ilha da Fantasia É UMA FANTASIA.
O que isso tem a ver com o RN? Acontece, senhores e senhoras, que o país tem 26 estados. E agora, um deles decreta estado de calamidade pública. Me digam que eu estou errado, e outros não vão seguí-lo!
Desde o açoitado Maranhão ao ignorado Rio Grande do Sul, passando por ambos os lados do território nacional, TODOS os estados estão em maior ou menor nível no mesmo passo do RN. Se a moda pega, teremos um caos...
Reflexão dolorosa... porque chegamos a tal ponto? Por duas palavrinhas de peso ridiculamente grande, na política nacional - nossa gente está morrendo ou sofrendo por causa de FISIOLOGISMO e CORRUPÇÃO. E eu explico.
Será fisiologismo "latu sensu" quando esse ou aquele partido/senador/vereador for beneficiado em seus nichos de ação, em detrimento da isonomia que todos os brasileiros deveriam desfrutar, a teor de nossa Constituição Federal (pra que serve aquele livrinho ultrapassado?). Fisiologismo da pior espécie, e se olharmos de perto veremos que é um tiro no pé de cada agente ativo do processo, porque a banda PASSIVA está ficando descontente.
Será corrupção quando se sabe que o custo da Saúde no Brasil é elevadíssimo mercê de licitações fraudades pela tal da "Ética de mercado" que se ouviu numa mesa negocial. É corrupção quando demonstra que esse ou aquele político levou seu "caixa" em obras públicas, e há hospitais públicos caindo aos pedaços.
Com a palavra Sua Excia. Sra. Dilma Vana Roussef, nossa presidente. Com a palavra seu Ministério, que disputa cada naco do orçamento com a voracidade de sabujos esfomeados. Com a palavra o Legislativo, que age como se fossem imortais, acima do bem e do mal, e não sujeitos a uma mera gripe H1N1 (é, tem gente morrendo por causa de influenza, pode? Mas eles se tratam em lugares de nome sonoro, como por exemplo a Rede D´Or, Incor, ou similares no exterior).
Com a palavra o MP, com a palavra a PGR (hoje eu estou envenenado, coloquei todos no rolo... deve ter sido a vitória do Corínthians, que vai servir de lenitivo à dor de muito brasileiro humilde, pelo menos até o final de semana.

quarta-feira, 4 de julho de 2012

ÉTICA - ALGUÉM SABE O QUE É ISSO?

Estava lendo uma revista semanal importante, há alguns dias, e me chamou a atenção ao saber de alguém, na tentativa de corromper outra pessoa, dizendo assim: "É a ética comercial."
Notem bem, a pessoa estava propondo um conchavo, com pagamento de propina, e dizendo que era "ética comercial". Isso pra mim em outros tempos seria rotulado de corrupção ativa, crime capitulado no Código Penal pelos artigos 317 e 333 (dependendo de qual lado da negociata se mirasse).
Ética. Priscas eras, no meu curso de Direito, e eu fico sabendo que ética é a propriedade de conduta social, relacional. E o que não era ético era condenado pela sociedade, sopesadas diferenças temporais e culturais. Mas isso estava (e ainda está) nos livros. Hoje, corrupção virou "ética".
E o espantoso é que a maioria imensa dos brasileiros concede atenção a manifestações dessa "ética"! Assim, pagar uma propina para o guarda não multar "faz parte". Dar um presentinho para quem facilitar o financiamento bancário, idem (já soube de leitoas e garrotes e sacos de milho e quilos de café assim transacionados). Cobrar a entrega de cheque caução, num procedimento cirúrgico de urgência, é "ético". Políticos prometerem e não cumprirem é." É imoral o Sr. Demóstenes Torres ser incriminado baseado em escutas telefônicas autorizadas (pouca gente se lembra de que as escutas buscavam provas contra quem estava DO OUTRO LADO das ligações, e apanharam o ilustre senador por puro acaso e azar dele) - agora, como descaracterizar as ligações telefônicas que incriminam o Sr. Demóstenes, SEM livrar também o Sr. Carlos Augusto? Esse é o nó da questão).
E será igualmente ético passar em branco uma ilegalidade cometida por algum político, será ético sonegar informações OU cobrar por elas, será ético motoristas de táxi cobrarem corridas fora do taxímetro, será ético aprovar obras sem avaliação técnica...
VOCÊS, éticos, modernos, me enojam.
Espero que todos entendam. O que é imoral, o que é ilegal, o que é incorreto está assumindo caráter de normalidade, nessa nossa sociedade brasileira desavergonhada, de uma classe C servil e dependente desse servilhismo, uma classe B safada que explora a a outra classe, e classe A que acha que pode viver eternamente acima dos problemas que enfrentamos.
Comentei sobre uma sessão de corrupção acontecendo. Pois bem, era dentro de um hospital. Envolveu fundos oficiais. Me ajudem... quantos hospitais públicos há? QUANTOS DELES passam por esses processos licitatório? Mais importante... QUANTOS DELES RECHAÇAM a corrupção?
Ah, me poupem... para o Brasil ser passado a limpo, precisamos de vergonha na cara (minimamente, porque não temos nenhuma, pelo menos a maioria dominante).


terça-feira, 3 de julho de 2012

QUEM CULTUA A MORTE MERECE RECLAMAR DIREITO À VIDA?


Pode parecer contraditório o título da crônica, ou mesmo de radicalização absurda, sopesados os tempos modernos, de "respeito aos direitos humanos" (fazem-me rir os burocratas por trás disso).

Penso, entretanto, que merece reparo o "status quo" relacionado. Porque em paralelo com a evolução social que pretensamente se experimenta, nota-se uma involução comportamental que para se dizer pouco, é doentia.

Como encarar pessoas como Anders Behring Breivik (Noruega)? O que dizer do homem que entra numa escola, mata algumas pessoas, e se suicida (Tech University, Virginia, USA)? O que comentar dos terroristas que, explosivos amarrados a si, matam pessoas, por causas no mínimo discutíveis?

Nem precisa ir muito longe. Como encarar comportamentos de mandantes, como o Sr. Regivaldo Pereira Galvão (relacionado ao assassinato da missionária Dorothy Siang) ? Ou o que fizera o Sr. Hildebrando Pascoal (crimes com motosserra, imaginem!)?

O que esses agentes têm em comum é que CULTUAM A MORTE. Acalentam-na em suas mentes distorcidas como o meio preferencial de triunfarem em algum projeto (uns políticos, outros econômicos, ainda outros puramente pessoais). Tal como corruptos famosos usam o dinheiro para "limpar" o caminho à frente, essas pessoas veem a morte como uma ferramenta que utilizam a seu alvedrio.

Há ainda os traficantes e suas negociatas. Ora, pessoas, como se mata um cliente, simplesmente porque ele não pagou a conta? Isso é animalesco, bestial, hediondo mesmo. Que seja suspenso o fornecimento, e se aprenda com quem negociar! Mas matar?

Antigos códigos de justiça mandam "ao homicida não deixarás viver." Passando por Hamurabi, a Torah, a Lei das XII Tábuas... então, vem o homem do século XX, e na ingenuidade de supor que bestas humanas podem conviver com o resto dos mortais, se recusa a cortar o mal "pela raiz"!

O pacto de San José da Costa Rica, ao qual o Brasil está atado, por alguns pontos de vista acordados,  ao supostamente obstar a aplicação de penas capitais, priva o Direito pátrio de instrumento coator que, conquanto amargo, alguns diriam cruel, costuma ser eficiente onde a coisa é automática (Indonésia, alguns países árabes...) e me parece eficiente para alguns estados norte-americanos. Ponderem isso, senhoras e senhores... a nação reportada como uma das mais desenvolvidas da terra TEM PENA DE MORTE!

Não me agrada tirar a vida de outrem. Foge inclusive aos meus princípios religiosos. Entretanto, a meu ver alguém que costumeiramente mata deixou já a algum tempo de ter condição humana de viver e raciocínio - se tornou uma besta humana. E o que fazemos com bestas descontroladas (que muitas vezes confessam que não querem mudar de vida...) para a sociedade ter um mínimo de paz?

Sei não... muito criminoso furreca por aí iria pensar duas vezes se soubesse que há uma injeçãozinha esperando por ele, em caso de crimes hediondos.

QUANDO A INTELIGÊNCIA ENCONTRA A ALIENAÇÃO

Com muito prazer republico um texto profundíssimo, que pode divertir, e vai trazer muita luz, sobre o momento político que vivemos. É ...