domingo, 22 de julho de 2012

POBRE POVO MARANHENSE!!!!!

Meus irmãos e irmãs, essa é meio antiga (do ano passado), mas tenho certeza de que muitos de vocês não souberam dessa barbaridade política.

A 19 de outubro de 2011, os deputados estaduais do Maranhão aprovaram a estatização da Fundação José Sarney.

Como se fosse pouco já existir tal "instituto", que não sabemos ao certo para que serve ao povo maranhense, além de relembrá-lo de seu senhor feudal, o elefante foi criado para preservar a memória do personagem que lhe dá nome.

Sou totalmente contra odes a gente viva, até porque em muitos casos soam vazias, mas enfim... se o homem quer preservar suas memórias e outros troços, e encontra quem o patrocine, Ok.

O que absolutamente não aceito é o que foi acontecendo paulatinamente, algum tempo após instalação da tal "afundação".

Em outubro/2011, a governadora do estado, que por MERO ACASO é filha do homem homenageado, encaminha projeto de lei estatizando a "afundação", vale dizer, ela deixa de ser mantida por colaboradores externos, e passa a constar na folha de pagamentos do Estado do Maranhão. A resistência foi tímida, com oito votos somente - afinal, manda quem pode, obedece quem tem juízo e pele fina, que no Maranhão morre gente por questões políticas.

Alguém aí se admira?Mas isso não é nada.

Em novo arroubo de imoralidade política, absoluta falta de respeito também com o povo sofridíssimo do Maranhão, a Exma. Sra. governadora cria quadro funcional com 44 (quarenta e quatro) servidores para a dita "afundação"! Isso significa, para os mais simples, que mais 44 servidores do estado do Maranhão estarão mamando nas tetas do Erário. Coisa recente, de julho de 2012.

Enquanto isso... acreditam que os maranhenses execram a oligarquia da família Sarney? Algum desatento dirá - "mas ele é senador pelo Amapá!". Tolinhos!!! O homem está preparando o próximo feudo!!!!!

Vocês acreditariam que o custo da manutenção da tal "afundação", que beira R$ 1.000.000,00 anuais, poderia resolver o problema dos baixos salários dos professores daquele estado? Se dividido, esse montante poderia socorrer a Educação e também a segurança (a PM de lá esteve em greve recentemente).

Sabem, meus irmãos? Há crianças subnutridas no Maranhão (assim como em outros lugares do Brasil); há neonatos morrendo nos hospitais do Maranhão, por falta de condições operacionais (idem, ibidem); há escolas caindo aos pedaços no Maranhão... (....).

É, para que sejamos economicos, imoral, o que se suporta do feudo Sarney. Que loucura é essa, em que mais de 6 (seis) milhões de brasileiros são espezinhados sistematicamente, tornados em massa de manobra, sobrevivendo em estado de necessidade permanente (a maioria deles), enquanto candidamente o feudo vai se apoderando das entranhas trabalhadoras desse povo?

Duvidam que esses 44 servidores sejam escolhidos a dedo, ao invés de selecionados em concurso?

Ora, que diabo, se a Sra. governadora viu "periculum in mora" sobre os bens da fundação, porque os não levara para sua casa? Afinal, são coisas que pertenciam ao seu ilustre pai! Porque o estado TEM QUE CUIDAR?

Brasil, não admito essas imoralidades de teus políticos. Não coaduno com a vileza que o Sr. Sarney perpetra contra gente humilde que vê nele um santo, e votam sistematicamente em si, coisa típica de voto de cabresto. Não posso me acomodar sem comentar isso. Talvez apareçam alguns brasileiros mais, honestos minimamente, descompromissados com esse ou aquele político, que encampem meu discurso...

Cabe aqui uma constatação sobre os deputados estaduais maranhenses, exceto 8 deles. Meus caros, ou vocês têm o "rabo preso" com aquele senhor e sua família, ou são frouxos - das duas uma. Não acredito de jeito nenhum que não veem onde aplicar os recursos do estado do Maranhão!

Como dissera Martin Luther King, de saudosa memória: "O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons."

Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUANDO A INTELIGÊNCIA ENCONTRA A ALIENAÇÃO

Com muito prazer republico um texto profundíssimo, que pode divertir, e vai trazer muita luz, sobre o momento político que vivemos. É ...