SINDICATOS PERVERSOS III

Ao longo dos últimos dias tenho dispendido meu vernáculo apreciando as idas e vindas dos sindicatos de modo geral.

"Quem não aprende com os erros do passado está fadado a repetí-los" (atribuído ao Gen. George Patton). Essa máxima tem uma lição tão límpida e clara que me causa espécie o quanto nós passamos distante dela. Claro, nossa gente brasileira em sua maioria nem saberá quem foi Patton, ou o que ele quis dizer, na conjuntura em que se expressou. Então, cumpro o dever de "acender a luz na escuridão" e, humildemente tentar ampliar o foco em torno dos significados implícitos.

O movimento sindicalista TEVE seu momento histórico. Logo após a revolução industrial a sanha da burguesia recém alçada ao poder se transformara numa outra modalidade de poder feudal, agora restrito aos galpões das fábricas ou as fazendas, e os empregados eram sobremodo sacrificados. Os filmes "Daens", "Matewan" e "Bread and Roses" talvez ilustrem - ainda que não claramente, até porque a coisa neles é meio romanceada - as condições do relacionamento patrão-empregado na segunda metade do século XIX e na primeira do século XX.

Entretanto, "domados" até certo ponto os patrões, em nível (de passagem - a expressão "a nível" É ERRADA, nessa acepção) relacional, os gestores do movimento sindical perceberam a força tremenda que tinham sob seu comando, e que passaram a usar a seu serviço. Ainda registrado no cinema encontraremos exemplos bem próximos da realidade em "On the Waterfront"(com Richard Burton) e "Hoffa"(Jack Nicholson). Se meus leitores tiverem o cuidado de conferir essas obras excelentes, terão idéia das derivações de poder e foco de ação que passariam a nortear a imensa maioria dos sindicatos. Penso que UMA exceção moderna escapa ao lugar comum do poder oligárquico - o icônico sindicato "Solidariedade", cujos primórdios estão retratados no filme "Man of Iron" (de Andrezj Wajda - não o do super-herói), que mudou a história de uma nação ordeira, educada e sofrida, PARA MELHOR.

Engolir o que os sindicatos modernos tentam nos impingir é um erro que provar-se-á fatal, a longo prazo. A degeneração social, fundada na liberalização total, transformará esses organismos - parciais, facciosos, eu diria muitas vezes ilegais - em monstros que hão de massacrar impiedosamente suas bases, que cometem o erro da submissão sem discutir. O tempo vai dizer se Patton estava certo ou não.

Brasil, de sindicatos imorais, de partidos idem, de um povo amordaçado... te amo, mesmo assim.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ERROU DE NOVO, SR. MICHEL SAAD NETO!

ESCOLAS DE DELINQUENTES

DE MARCHINHAS DE CARNAVAL...