quarta-feira, 8 de agosto de 2012

FAZENDO A LEI DE PALHAÇA EM 30 LIÇÕES

Meses (talvez anos) dispendidos. Dezenas de pessoas (centenas?) envolvidas. Recursos tecnológicos de vanguarda, horas de sono perdidas por funcionários públicos. É preciso um rápido memorial, para se entender o que aconteceu, alguns porquês, e a quantas anda a democracia brasileira.

Foi montado o circo do Mensalão.

Julgamento iniciado, aproximadamente 7 (sete) anos após a deflagração do petardo. O Dr. Gurgel traz seu libelo de forma cristalina, eis que tivera tempo sobejo de considerar o que inscrever ali. O relator, Ministro Joaquim Barbosa, traz com clareza seu relatório.

E agora os Srs. "adevogados" vêm a público nos contar que não há provas, que seus clientes são de uma pureza digna de coroinhas do século passado, que o aparato da PF é agressor (invadira a privacidade das pessoas, ora já se viu uma coisa assim?). Ora, os culpados já morreram (claro, os defuntos não poderão contestar)!!!!

Para começo de tudo, candidamente, usando o artifício do "se colar, colou", alguns daqueles causídicos postulariam o desmembramento do processo, na premissa de que seus clientes não tinham foro privilegiado, e deveriam então ser julgados pela instância inicial, de seus estados. Desconsideram entendimento expresso na lei de que, se no mesmo "imbróglio" há acusados de foro privilegiado e outros não, àqueles aderem estes.

Como é isso, então? Aqueles senhores togados, de retórica irrepreensível e experiência comprovada estão alí reunidos para brincar? Não há nada mesmo a se corrigir, nem culpados a penalizar? Como alguém já disse - "Faz-me rir" a cupidez, a imoralidade verborrágica, dos acusados e seus defensores... Estão tentando transformar os integrantes do STF, nada mais, nada menos do que - em palhaços com roupas menos hilárias, só isso. E por tabela nomeiam uma nação inteira de palhaços, ignorantes, párias mesmo, a serviço da classe (política) dominante. Vamos ver o que o tempo vai dizer a respeito.

Enquanto isso, a brasileirada, deslumbrada com traseiros bem feitos exibidos em reality shows, com perversidades de novela medíocre, deslumbrados igualmente com as Olímpiadas e o brasileirão, nem atentam para o fato de que estamos, como povo, sendo desrespeitados sistematicamente pela nossa classe política (que urdiu o Mensalão), e agora se servem da Justiça, no afã de serem liberados de seus ônus diante da lei. Ah, povo ignorante!!!!! Sendo violentado e gostando da violência, do verdadeiro estupro social que vivenciamos todos os dias!

LEI. Coerção formal, oficial. Ordenamento social essencial ao estado de Direito, tão badalado nos discursos dos togados. É a sua aplicação que os brasileiros querem, nada mais, nada menos.

E que, de passagem, seja tolhido o instituto do recurso que, conquanto necessário muitas vezes, para se evitar injustiças, tem sido manejado de forma imoral, tendenciosa, vil, porque os profissionais do Direito não o usam para expurgar injustiças, em geral - normalmente se lança mão de recursos para protelamentos, para salvaguardas espúrias, para vicejar a impunidade no meio dos engravatados que dizem mandar nessa terra brasileira.

Alguém dissera (não me recordo quem) que as lei são como as mulheres - precisam ser violadas para frutificarem. Foi de uma infelicidade imensa, já se vê. Por essas e outras tiradas é que se vê como há ignorância campeando. Não é quebrando leis que se erige o patrimônio social. Aliás, o declínio da Grécia antiga, de Roma e outras tantas civilizações aconteceu justamente por isso - as leis foram se tornando mera letra morta para as classes dominantes, as coisas degeneraram... leiam os livros de história.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

QUANDO A INTELIGÊNCIA ENCONTRA A ALIENAÇÃO

Com muito prazer republico um texto profundíssimo, que pode divertir, e vai trazer muita luz, sobre o momento político que vivemos. É ...