terça-feira, 24 de setembro de 2013

NOSSA POLÍCIA - SHOW NO MEIO DO CAOS, APESAR DOS CRÍTICOS

Ao longo dos últimos dez dias, temos noticiadas ações da Polícia Federal, desbaratando quadrilhas dentro e fora de órgãos governamentais.

Uma das últimas notícias diz respeito a uma cambada de safados que desviava alimentos da CONAB. Pior que o mero roubo é tirar a comida de crianças/adolescentes.

De cambulhada vão sendo também apanhados traficantes, corruptos estão pipocando em toda parte...

A Polícia está fazendo sua parte. Ainda que em muitas localidades esteja mal aparelhada, a polícia em suas várias performances - civil, militar, rodoviária, PF - tem desempenhado papel capital na contenção da criminalidade, no esforço da segurança pública e por aí vai.

Parêntese.

Infelizmente não posso deixar de mencionar aqueles integrantes dos quadros que se corrompem, "deixam passar", recebem propina, protegem criminosos. Talvez eu esteja "chovendo no molhado" ao repetir isso, mas esses cidadãos descuidados com suas obrigações e também com a própria respeitabilidade estão dando um tiro no pé.

Imaginem... ao proteger um traficante, ou receber propina de um deles ou de outro tipo de criminoso, o policial está literalmente vendendo a alma ao diabo, pois que o lado negro da sociedade não tem limites, na hora de cobrar dívidas e/ou resultados. Mas isso não é tudo.

Policiais têm famílias, famílias costumam ter filhos/netos... pessoas, imaginem a progressão geométrica do risco embutido numa estúpida "propina" ou em outro ato qualquer de corrupção!

Igualmente, o policial que aceita algo (eu não vou dizer suborno) para não autuar um motorista irregular - bêbado, sem carteira, menor de idade, está assinando embaixo no assassinato de alguém, no médio prazo.

Ok, alguém vai ponderar que isso são males sociais, etc e tal... mas confesso que nunca encontrei, em minhas pesquisas a respeito, um país mais eivado de ¨males sociais" do que o Brasil.

Mas fechemos o "parêntese".

Os profissionais da polícia, de modo geral têm, nada obstante os críticos, desempenhado um trabalho excelente. Mais não fazem porque não podem. A PF, por exemplo - contida por interesses políticos, muitas vezes, constrangida por vedações conseguidas em tribunais...

A polícia militar é desaparelhada, especialmente no interior (como se perseguir um criminoso numa pickup Dodge RAM, a bordo de um carro "mil"? Aqui e acolá temos cidades com efetivo adequado e equipamento idem, mas eu conheço localidades no Brasil onde um punhado de "bravos" (algo em torno de 150) precisa cuidar de SEIS cidades!!!!!

A polícia civil se debate continuamente com "xadrezes" superlotados e em risco constante de rebeliões, a produção da Justiça não libera pessoas detidas sem motivo e/ou detentos que já cumpriram penas... igualmente não possuem armamento e veículos em condição de ao menos enfrentar em paridade os criminosos... e IMLs e instalações de polícia técnica se podem encontrar em condições precárias, literalmente desmantelados...

Preciso também lembrar a interferência constante de "forças" políticas no trabalho dos "homens da lei". E essas influências nefastas atingem todas as polícias, sem exceção, embora o que apareça mais é a constrição sobre a PF.

Como ser profissional com tudo isso?

Mas eles vão em frente. Há truculência? Sim, de alguns. Há arbitrariedade? Sim, idem. Há excesso de força? Idem, mas lembremo-nos de os homens e mulheres que tentam nos defender todos os dias, nas cidades de nosso Brasil são também seres humanos, sujeitos a emoções fortes. Não sou partidário da violência, mas como tratar com igualdade de condição alguem que roubara um quilo de arroz E alguém que estuprou um nenê? COMO, me digam!

Apesar das lutas, dos erros acontecidos aqui e alí, do sofrimento social, eu apoio a polícia. Em todas as frentes. Eles fazem o caos cotidiano menos sacrificante.

Tem gente acima deles que deve responder pelos erros da tropa. Entendem?

REVENDO AS INSTITUIÇÕES DEMOCRÁTICAS BRASILEIRAS

Muito se tem comentado, ao longo dos últimos dias, a respeito de como os votos no STF, que receberam os "embargos infrigentes", preservaram as instituições democráticas.

Os luzeiros que assim ponderam asseveram que, dado o cumprimento da Lei, tudo foi colocado nos eixos.

(naturalmente, ninguém comenta do porquê dos votos contrários, que tiveram também seu respaldo. Nem se cogita REFAZER o julgamento dos embargos - dura lex, sed lex, já que foi por 5 a 4! Já que se evocou a lei, tendo em vista a votação apertada...).

COMO? O que se preservou, exatamente?

Em primeiro lugar, temos simulacros de instituições democráticas - um Legislativo totalmente fisiologista (mesmo os dissidentes disso não podem virar a mesa, são poucos), um Executivo submisso ao Legislativo e focado numa experiência socialista suicida (anacrônica, obsoleta, porque suas fundamentações ficaram no século XX), cujos contornos se delineiam agora, e um Judiciário de joelhos. A Lei é feita pelo Legislativo, logo, ora, ora, ora... ela tem que ser respeitada! E danem-se leis infraconstitucionais! E que se dane a moral, a ética, o Direito em sua forma mais pura!

Mas a pirâmide não para em seu ápice - as Forças Armadas literalmente "subnutridas" (sem recursos, sem tecnologia* adequada para defender nossa Pátria), os serviços públicos em situação caótica, nossa Educação jogadas às traças, de modo quase geral, e então começam a surgir "soluções", como por exemplo a importação de médicos...

As obras públicas são leiloadas para um seleto grupo de construtoras, com preços exorbitantes, e combinações de bastidores não seria de se estranhar, especialmente porque quase 100% das obras públicas entregues a empreiteiras ou não termina, ou é concluída com defeitos, ou demanda alteração (para cima, claro) do orcamento inicial. Além, naturalmente, dos preços praticados com o ente público nessas licitações, de modo quase geral SEMPRE SUPERIORES, e muito, à concorrência aberta.

Nossas estradas são uma lástima, de modo geral. Nem as concessionárias estão fazendo muito, pela fortuna que deixamos nas praças de pedágio pelo Brasil - vale a pena conferir o que os paranaenses pagam!!! Um assalto, verdadeiramente, tendo em vista a relação custo/benefício!

As ferrovias... ME DIGAM se existem (ah, existe uma, me parece no Nordeste, indo do nada para lugar nenhum - porque terminais não foram construídos, trechos precisam de reparos).

As hidrovias... ainda estão no papel (há algo previsto para começar a operar a partir de 2016 - vamos conferir esse prazo), quase tres anos após o PAC respectivo determinar prioridades.

Os aeroportos brasileiros estão numa azáfama doida para se adequarem à demanda do ano que vem (Copa do Mundo) e de 2016 (Olímpiadas). Não creio que consigam fazer nada dentro do prazo, mesmo no escalonamento de dois anos até à Olímpiada. Quem viver, verá.

Na Educação, tudo às instituições privadas - praticamente NADA às instituições públicas (se alguma coisa nesse sentido estiver andando BEM, podem comentar, terei prazer em ressalvar o tópico).

Quanto à Saúde... reconheço que a classe médica tem se comportado, de modo quase geral, de forma perversamente fisiologista, também, e muitos há que ainda "mamam" nas tetas públicas, e o povo mesmo não é atendido (vide as denúncias de médicos que marcam expediente, mas não o cumprem). Mas a
ativação do programa "Mais Médicos" vai trazer o que de novo, para nossa gente? Em postinhos quase desmantelados em muitos rincões, sem ataduras, sem instrumentos de enfermagem, sem medicamentos, sem sutura, sem praticamente NADA?

Uma outra pergunta - dado não termos assim tantos engenheiros civis em atividade (me parece que temos...), vamos importar engenheiros? O que se dizer de dentistas, já que esses profissionais seguem com pouquíssimo desvio o exemplo dos médicos????? Teremos o programa "Mais Dentistas"?

Senhoras e senhores, precisamos influenciar nossos círculos de influência - a um custo altíssimo para toda a nação, estão comprando nossa gente mais sofrida e menos aquinhoada com programas de "Bolsa". A propósito, salvo melhor juízo, o programa "Minha Casa, Minha Vida" começou a fazer água - tomara que não venha uma anistia por aí...

E hoje nos chega a voz daquela iluminada Presidente, Sra. Dilma Roussef, cogitando de proposta brasileira para controle da internet!!!!!! A justificação é que rotinas de espionagem não podem acontecer indiscriminadamente. Mas...

Isso é uma loucura, sob todos os aspectos! Se há algo a se manter sigiloso, simples - que se transmita "in loco", e assim seja mantido. NADA MAIS será privado em termos de comunicação, nesse mundo do século XXI, será que ninguém entende isso? Que o digam os chineses, que enchem de "firewalls" sua internet, e mesmo assim, o bloqueio  virou mexeu é furado. Uma utopia perversa, para confrontar o sonho de liberdade em que se transformou a internet (com todos os seus perigos e desafios).

Temos mesmo instituições a defender? Quais, exatamente?

Vamos copiar Executivo, Legislativo e Judiciário de onde? Porque o que temos não serve ao Brasil. Ou melhor, está servindo a uma oligarquia que já mostrou ao que veio.

Quem viver, verá.



segunda-feira, 23 de setembro de 2013

EXCEÇÃO NA POLÍTICA - KIREEF - UM HOMEM DE VALOR

Todos os que me conhecem sabem que sou muito cauteloso, na hora de atribuir honra a alguém. Já se disse que uma pessoa só é conhecida pelo quanto se dá a conhecer - vale dizer, nem tudo é como se fala, ou se vê.

Aqui, entretanto, me permito falar a respeito de alguém que tem alcançado respeito até de seus opositores, quanto mais da população que dele depende.

Após pleito eleitoral apertadíssimo, o qual vencera por diferença de 1,07% em segundo turno, em outubro do ano de 2012, assumiria a prefeitura de Londrina, no norte do Paraná, o Sr. Alexandre Kireef, no início de 2013.

Não voto em Londrina, mas trabalhava lá, à época do pleito, e fiz campanha aberta pelo homem.

O Sr. Kireef encontraria Londrina, a segunda maior cidade do Paraná, necessitando MESMO de cuidados. Na saúde, na segurança pública, na gestão de transportes, serviços públicos de toda sorte. Um outro pião na unha seria a SERCOMTEL, empresa de telefonia municipal, que a par de um serviço excelente, vinha sofrendo sobremaneira com administração desfocada.

Um amador enfrentando um profissional, digamos assim. O Sr. Kireef - empresário de setores  privados como o imobiliário e do agronegócio - venceria ninguém mais nem menos do que o Sr. Marcelo Belinatti, de família razoavelmente tradicional na política da região.

O povo de Londrina apostou naquele discurso de peito aberto, em frases sem "entrelinhas" (pude assistir a um dos debates que os candidatos realizaram, e notei claramente a diferença entre o que se falava e o que se pretendia dizer, entre os dois candidatos).

Londrina não se enganou. Encontraram um líder de valor, para o reerguimento da cidade, para seu desenvolvimento, para lustrar o valor que essa cidade já teve outrora. O Sr. Kireef, em pouco mais de OITO meses de gestão, tem mostrado a que veio.

Basicamente, ele demonstra amor ao torrão que o acolhera (é natural da cidade de Marília, incidentalmente). Algo essencial, isso.

Mas ele vai além. Não se esconde atrás de assessores, não substabelece a responsabilidade que lhe deram. Um problema? Ele assume a solução - vide o serviço de coleta de lixo, da cidade, que após os "imbróglios" de administrações anteriores, a Prefeitura tem assumido, enquanto o competente processo licitatório em busca de terceirizada adequada vai sendo concluído.

Recentemente, quando de eventos naturais que perturbaram o estado inteiro, se podia ver o Sr. Kireef em meio a detritos da tempestade, roupas algo molhadas da chuva ou enchente, se preocupando em como os trabalhos de recuperação estavam acontecendo. E "in loco" propondo as soluções cabíveis. Não se limitou a permanecer no gabinete, dando ordens.

Torço desesperadamente para que o Sr. Kireef faça escola. Para que outros homens e mulheres públicos vejam dignidade e utilidade em serem íntegros. Para que entendam que o ocupante de um cargo público tem obrigações claras e não somente status.

Que os empresários de Londrina entendam que uma Londrina pujante, desenvolvida e de povo contente é um incentivo a novos negócios, mais progresso, mais importância no cenário estadual e do país.

Não creio que a lama quase onipresente na política brasileira vá alcançar esse homem, me parece que ele está muito acima mesmo da pequenez das mutretas e dos conchavos. Torço para que nem sequer seu partido o direcione para longe dos alvos propostos em campanha, todos válidos e urgentes.

Deus o proteja. Que o livre do convite de "alianças" espúrias e/ou interesseiras, com que sem dúvida já está sendo bombardeado. Que seu amor pela cidade e seu interesse pelos londrinenses permaneçam e sejam incrementados. E que a população de Londrina possa enfim "respirar" aliviada, novos e mais puros ares. Eles precisavam disso, estavam há muito tempo sem essa "oxigenação". Que o homem permaneça mais tempo por lá, para o bem da cidade e de sua gente.

Deus o abençoe, Sr. Alexandre Kireef!

P.S. - espero também que outros políticos TENHAM INVEJA do que eu escrevi aqui. E MUDEM.



TRAFICANTES, PROSTITUTAS E ASSASSINOS NO SOFÁ DA SALA - NOSSA TV!

Sábado passado (14/09), perto das dezenove horas, placidamente degustando um "sanduba", numa loja da franquia "Subway", em Curitiba, me deparei com a TV ligada, indicando que um outro programa ia se iniciar (uma novela, o que mais?), e luziu por alguns segundos, na telinha, o alerta de que aquela programação era inadequada para menores de DEZ anos. Lembremo-nos de que o tal "programa" é veiculado seis dias por semana, em horário similar... então...

DEZ ANOS!!!! Pessoas, me digam como se tira pré-adolescentes da frente da TV, às sete horas da noite!!!!! Me contem como poderemos convencer meninos e meninas mal-educados (de modo quase geral), rebeldes (sinal dos tempos), e cheios de "aspirações de liberdade" a deixarem de assistir a um programa que - sofrivelmente - serviria de entretenimento para ADULTOS!

E nos minutos que se seguiram, se podia identificar claramente dentre os protagonistas, prostitutas e adúlteras (quem trai o marido é o que?), escroques, mentirosos, gente mal-educada, rebelde, sem caráter...

Cabe lembrar que em outros "programas" do mesmo jaez, encontramos traficantes, assassinos, corruptos de todo o genero... enfim, essas novelas e programas assemelhados (salvo, talvez, as "Chiquititas")...

Em muitos episódios há armas sendo mostradas...

Entendam... nossas crianças não precisam de quem os ensine a serem maus - as novelas já demonstram como é!!!!!

E de cambulhada, os programas de auditório, com aquelas "moças" (sentido nebuloso, hoje em dia), em trajes mínimos, se balançando em ritmos insanos, profanos e/ou entediantes, e "artistas" feitos pela mídia, ensinam as meninas que mostrar a bunda está na moda, que ter "besteirol" na ponta da língua é chique... claro, muitos dos nossos apresentadores não ficam atrás, e oferecem sua contribuição para o rebaixamento da cultura geral.

Os desenhos animados, a par de uma falta de criatividade (não me refiro a efeitos especiais, esses são quase onipresentes em tudo na TV) quase que endêmica, apresentam conteúdos que, quando não são violentos, tem elevado teor de torpeza (vide por exemplo South Park), ou insinuam perversões (não preciso exemplificar, preciso?). E ainda tem gente que condena o "Picapau" e "Tom & Jerry"!!!!!

É de uma estupidez absoluta, pois, antecipar, ainda que expressamente, por alguns segundos, que esse ou aquele programa é "inadequado". O que mesmo é adequado, hoje em dia, para todas as audiências? Os avisos estão de acordo com a lei, conforme Portaria 796/2000, do Ministério das Comunicações e legislação conexa... Mas para que serve se dizer que conteúdos de sexo e/ou tele-sexo SÓ PODEM ser veiculados entre zero hora e cinco horas da matina, se muitos adolescentes têm TV no quarto, que utilizam a seu bel-prazer?

HIPÓCRITAS.

Amigos leitores, estamos produzindo as próximas gerações... Vocês acham que as gerações de jovens atuais são difíceis de lidar? AGUARDEM!!!!

PLURIPARTIDARISMO - SOPA DE LETRINHAS INFERNAL

Conhecido site de variedades divulgou hoje que temos - entre constituídos e em processo de formalização - trinta (30) partidos políticos no Brasil.

Lideranças diversas, bandeiras prosaicas muitas delas (por exemplo, o atrelamento da palavra "cristão" às siglas é mera retórica, já que o Estado é laico). Mamutes da política, alguns já em adiantado processo de "extinção"...

A Constituição de 1988 recepcionara a idéia de pluripartidarismo, conforme seu artigo 17. Copiamos o que de menos funcional pudesse existir. Claro, os países com múltiplos partidos foram parcialmente copiados (a Alemanha, por exemplo, tem DOZE, Portugal tem TREZE, a Índia tem SEIS). Claro, os EUA, entre grandes e pequenos, tem 70 (SETENTA) partidos, alguns totalmente locais, como um pequenino, das Ilhas Virgens. MAS... quem resolve as coisas são os Democratas e os Republicanos.... Percebem?

O que eu pretendi, ressaltando esses números, meus caros, é demonstrar o que está amplamente difundido no corolário legal (e político) brasileiro - "se podemos complicar, porque simplificar?".

Isso conduz a outra ponderação - porque complicar?

Surge em cena, então, a lei 9093/1995, que, em seus mais de sessenta artigos disciplina(?) a constituição e atuação dos partidos. Inclusive, naturalmente, com a competente distribuição de recursos públicos, via Fundo Partidário, que se começa a delinear a partir do artigo sétimo da referida lei.

NADA absolutamente me demove da idéia de que a capilarização teve como determinante não exatamente cooptar as vertentes políticas nacionais, mas facilitar o acesso ao poder e a recursos estatais. NADA.

A propósito, a Dinamarca, nação tida como uma das mais desenvolvidas e de melhor IDH do mundo, tem apenas 179 (cento e setenta e nove) parlamentares, no máximo (nós temos 594, somente na esfera federal - senadores e deputados federais)! Que inveja deles!!!! 

Nos aproximamos de eleições, novamente. Junto ao temor de resultados deprimentes, pela ignorância política de nossa gente, me vem também a esperança de que as cabeças pensantes possam nos conduzir a escolhas mais lúcidas, e mais produtivas para nossa terra, sofrida, roubada, depredada - e na maioria imensa das vezes por esses seres imorais (em sua maioria, friso que há exceções) que povoam nossa política "pluripartidária" (me fazem rir, o partido deles é o umbigo e o Erário, NADA MAIS).

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

O JULGAMENTO DA JUSTIÇA II

Então, os embargos infringentes foram admitidos - observem que admissão não significa julgamento. Como um mágico tira um coelho da cartola, os advogados de defesa dos réus encontraram essa pífia ferramenta, para protelarem o pagamento da dívida de seus representados. Não esperava por isso, mas não me admiro agora, dado o número exagerado, certamente abominável, de recursos que nossa Justiça brasileira tem disponíveis. Tentem encontrar outros tribunais tão lenientes quanto os nossos, pelo mundo afora!!!!

O Ministro Celso de Mello comentara que uma das bases de seu voto em favor dos famigerados embargos se traduz numa oportunidade para ele "aprofundar suas convicções".

Não foi, entretanto, o Dr. Celso de Mello o culpado pela pantomina. Em verdade, outros votaram antes dele, assim me parece maldoso sobremaneira lançar sobre as costas do Exmo. Ministro toda a culpa.

Culpa que dividem alguns membros do STF com nosso povo, que historicamente tem se vendido a esses parlamentares sem ética, moral ou coisa que o valha (para não se dizer falta de vergonha na cara), que usam e abusam da Pátria e seu Erário como se tomassem as prostitutas de algum conventilho - a seu bel-prazer.

Agora vejam - os políticos são julgáveis pelo STF pela benesse de foro privilegiado, mas quando são condenados, gostariam de uma outra instância! Se aceitam a benesse, porque não lhe suportariam os ônus?

Pois então, Sr. Ministro, nós - o povo brasileiro em geral - já temos nossas convicções aprofundadas...

Estamos convictos de estarmos em uma República corrompida e corrompedora.

Convictos de que nossos homens públicos, quando não são vendidos, ou criminosos "com imunidade", são homens fracos, sem coragem de assumir a responsabilidade por seus atos (com raríssimas exceções que não fazem diferença, infelizmente).

Estamos convictos de que as instituições - criadas pelos homens públicos supra citados, são estruturas destinadas a protegê-los. Que a Instituição nada mais é que letra morta, na medida que leis e regulamentos infra-constitucionais têm força superior à Carta Magna.

Estamos convictos de que o governo, ao invés de refém do Congresso, como o foram alguns antecessores, tem naqueles senhores imorais aliados importantes, que o tentará conduzir a outra vitória, ano que vem. E, naturalmente, hão de cobrar um "pequeno adjutório", que afinal ninguém é de ferro, e eles precisam enviar recursos para suas contas no exterior (aqueles homens públicos do parágrafo anterior).

Convictos estamos, Excelência, de que nós, o povo não mandamos absolutamente NADA nessa Pátria amada, razão pela qual é totalmente impróprio o rótulo de "DEMOCRACIA" (governo do povo) para o Brasil.

Finalmente, prezado Ministro, estamos convictos de que venderam nossa honra, tripudiaram de nossa boa fé, desprezaram nossos menos aquinhoados, zombaram de nossa coragem estúpida ao invadir as ruas desse país, cuspiram na cara dos que honestamente se levantam de segunda a sábado (a maioria), para laborar o dia inteiro, para ao final do mes receberem um salário mínimo que TODOS SABEM que é insuficiente para a sobrevivência de uma família com filhos. Não exatamente quem, mas nossos homens públicos de modo quase geral, venderam.

O Sr. e seus pares, Excelência, assim como os processados pela AP 470 e demais integrantes do Congresso, não pertencem a esse povão saqueado, vilipendiado, zombado, marginal que se amontoa aos milhões por aí, esperando pelas esmolas que lhes caem do Planalto Central. O Sr. não os conhece, e por não conhecer não os entende, em sua indignação com essa brincadeira que tem sido até agora a AP 470. Por isso mesmo o Sr. e alguns dos pares de V. Excia. votaram como votaram.

Não culpo V. Excia, Dr. Celso de Mello, pelo desfecho de mais esse capítulo. Não. O que está errado já está assim há muitas décadas, mas somente agora, com o esforço inaudito de alguns corajosos que agora são cartas fora do "baralho", apareceu a imagem horrorosa da Justiça que temos no Brasil.

A Justiça brasileira foi julgada, ao longo dos últimos dias. E lamentavelmente foram reprovados, não exatamente condenados. Espero que sobreviva, para se restaurar.

P.S. - Dr. Barroso, o STF deve julgar para "as ruas" (o povo) sim! O fisiologismo parlamentar já superou os limites do razoável. E é o povo quem sofre, afinal!

terça-feira, 17 de setembro de 2013

O JULGAMENTO DA JUSTIÇA

Ao longo dessa semana teremos mais um (suponho, um dos últimos) capítulo da novela que se convencionou apelidar de "Mensalão", materializado na AP 470, em tramitação no STF.

Espernear é um direito de condenado. Natural. Mas há esperneios e esperneios. E, convenhamos, as choramingas recentes dos senhores condenados na AP 470 é da uma falta de critério absoluta, vez que atenta de modo frontal contra a soberania do tribunal máximo da nação.

Ouvi dizer que alguns deles pretendiam recorrer à Corte Internacional, em Haia. Aquele seria sem dúvida alguma o foro para reexame do processo mencionado. Porque não o fizeram? Simples - seria algo tão vazio e sem expressão, diante dos julgadores de Haia, que nem sequer seria apreciado.


Não queria estar na pele do Dr. Celso de Mello. O último a julgar, com voto decisivo, terá muito assunto sobre o qual discorrer, no futuro, qualquer que seja sua inclinação.

Porque o principal tema não está nos anos que alguns condenados talvez percam, morando num presídio. Nem os prejuízos financeiros com multas. Tampouco a vedação à reeleição, que alguns certamente amargarão.

O que está como pano de fundo é a respeitabilidade, a seriedade, da Justiça brasileira.

Num lance inaudito, em terras tupiniquins, políticos são apanhados em "cardume" em processo penal, são condenados e... agora surge uma possibilidade meramente retórica de que possam ser beneficiados com reexame do processo, pelos mesmos julgadores que os condenaram!!!!

Note-se, isso após mais de 5 anos de ocorridos os ilícitos de que se trata. Em solo americano, por exemplo, isso seria examinado em no máximo dois anos, sentença atribuída, APLICAÇÃO IMEDIATA, e talvez algum recurso fosse considerado, mas não um reexame dessa natureza, pelos mesmos julgadores, porque depõe contra a seriedade do tribunal. Se houvesse instância superior, Ok. Mas não há.

O mundo está olhando para nós... espero que consigamos sair dessa com o "minimo"  de "penas queimadas"...

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

O PETISMO EVISCERADO

Aquela lenda da história americana, o presidente Abraham Lincoln, dentre outras pérolas, declarara" Você pode enganar algumas pessoas o tempo todo, e todas as pessoas por algum tempo, MAS não poderá enganar a todos o tempo todo." (You can fool some of the people all of the time, and all of the people some of the time, but you can not fool all of the people all of the time).

Nossa Pátria amada, "Salve, Salve!" tem sido sistematicamente sacrificada pela leviandade de seus homens públicos.Excetuando raras exceções, nossa história tem intrigas demais "na corte", tem maracutaias demais por lá, tem feudos políticos...

Não vamos comentar os tempos pré-república. Está muito longe de nós... vamos ao século XX.

Então, o governo democrático que se instalara na década de 40, de extrema fragilidade de sustentação, seria povoado de maus políticos. Junto a essas pessoas sem brios  nem vergonha, se iriam associar novos burgueses, a quem interessava expansão acelerada de mercados, ainda que a custo cruel.

Nada obstante, o ufanismo estava instalado nos arredores de nossa gente.

Instalou-se uma das primeiras fábricas de automóveis no Brasil, a VEMAG.

Mandamos nossos rapazes para a Itália, para verterem sangue e suor em benefício de um ideal de liberdade...

Tivemos outros respingos de glória, com aquele sonho megalômano do Sr. JK, materializado em nossa capital federal (claro, também atendendo apelos discretos da burguesia pós-guerra).

Nos aproximávamos de momentos tormentosos de nossa história, e já na década de 60, o governo populista de João Goulart sinalizava uma democracia que, nada obstante o que se tinha, estava fazendo água. Além disso, influências do exterior já se faziam sentir, seja em mãos "amigas" estendidas, seja, na contramão, num policiamento anti-socialista só justificável se fosse oriundo dos tempos do macartismo (e era).

(Vale lembrar que, naqueles anos turbulentos, nossa gente brasileira experimentou um gostinho de "liberdade" em todos os sentidos, e prova disso foram manifestações artísticas e sociais que marcaram época. Pouco antes, em 53, a PETROBRÁS, nossa maior empresa nacional (e atual "multi-teta" pública) fora fundada, pelo caudilho gaúcho Getúlio Vargas, fomentando uma série de expansões industriais em cadeia...)

Não vou me deter nos "flashbacks".

O mundo segue em frente, e antes de chegar ao meio daquele decênio tivemos o amaríssimo sabor do golpe de 1964, erroneamente rotulado de "Revolução".

Pessoalmente, quero crer que nossas Forças Armadas, de presença marcante na vida nacional, até recentemente (hoje se encontram acuados, pelo que vejo - me corrijam) foram USADOS para atender a misteres mais complexos e policitamente entrelaçados com interesses de minorias poderosas... Enfim...

Nada obstante os chamados "anos de chumbo", o Brasil se firmaria alí e conquistaria algum respeito diante da comunidade mundial. , e importantes conquistas aconteceriam, sob égide militar. Nossa gente foi tomando consciência de si, como povo (ainda não concluíram essa etapa), os militares notaram que estavam no lugar errado, e o governo foi delegado a civis.

Por incrível que pareça, acendeu-se um estopim. Acontece que ao longo dos anos da chamada "ditadura", duas agremiações políticas passaram a existir, a ARENA e o MDB. A primeira o foi como sustentáculo do regime, instalada pelo A.. Nr. 2. O segundo erigiu-se sob a premissa de que as questões sócio-políticas deviam ter debate. Seriam rotulados respectivamente de "situação e "oposição".

No ventre bem defendido daqueles partidos começava a surgir a contaminação que assola nossa classe política. Foi ali que se gestou o perfil de nossos políticos atuais, e onde se criaram as primeiras estruturas protecionistas dos congressistas.

Na relativa "balbúrdia" política que se seguiu, uma outra serpente se fortalecia.

Um socialismo amigo de corrupção, completamente indiferente ao povo que dizia defender, foi tomando corpo, visando um alvo maior, mais "nacional"...

Temos hoje em dia o PT. Nunca tivemos em nossa terra brasileira um punhado de políticos e/ou líderes governistas mais corruptos. Jamais, em tempo algum, as tretas políticas enriqueceram tão depressa a turma do Congresso. A título de parametro, comparem os líderes governamentais de agora com os do período da chamada ditadura, e o que uns e outros amealharam. Vão se surpreender em como eram espartanos nossos militares!!!!!!

Como o advento da AP 470, já não resta mais nada a demonstrar sobre o caráter leviano, desleal, criminoso mesmo do partido da "estrela". Preciso confessar que, há uns 15 anos atrás eu era simpatizante deles. Uma vergonha, eu sei, mas hoje vejo claramente em que "más companhias" andava. Ainda bem que não perdi a vergonha na cara.

O que o povo brasileiro quer mais para se convencer de que quem lhes "dá o peixe" na verdade os quer escravos? Hmmmm... talvez saber tudo o que há na "caixa preta" chamada PETROBRAS... Talvez reste saber disso...

MUDA, BRASIL!

BRINCADEIRAS JUDICIAIS E ESTRATÉGIAS CRIMINOSAS

O ser humano é notável em sua quase necessidade de arrostar o perigo, seja incidentalmente, seja de moto próprio...

O ordenamento jurídico que temos hoje em dia, no mundo ocidental, particularmente, foi erigido ao longo de séculos, aperfeiçoando-se sempre e de maneira geral se pretendendo a aplicação do imparcial, a seus extremos.

Entretanto, o ordenamento jurídico tupiniquim vai além, mais uma rosca no parafuso - temos uma infinidade de recursos e medidas protelatórias, em nome de proteger-se direito de réus. Em verdade, a maioria dos nossos recursos é olhada com desdém pela comunidade jurídica de outros países, e onde nossos juristas veem ampliação do instituto da Justiça (e muitos causídicos veem lacunas por onde protegerem seus clientes DA lei), o pessoal lá fora vê como pífias tentativas de se complicar o que, normalmente, já não é muito simples.

Tome-se, por exemplo, a grita pelo reexame da AP 470, vulgarmente conhecida como ação do "Mensalão".

Os defensores da medida releem o artigo quinto da Constituição Federal, em seu inciso LV, que determina o princípio da "ampla defesa". OBSERVEM, preclaros, que NÃO SE FALA sobre "dupla jurisdição", na leitura simples do texto. Mas então, com a abundância de recursos que permeiam o mundo confuso e até certo ponto corrompido da Justiça brasileira, se supõe que isso seja cabível, no caso em tela.

Antes de ir adiante, precisamos notar que o julgamento aconteceu na sede da mais importante corte nacional, o STF. O julgamento não teve participação de advogados "porta de cadeia", nem promotores recém-saídos das fraldas, tampouco um juiz singular - ao invés disso tivemos causídicos muito bem preparados, que em suas idas e vindas produziram volumes que superam as setenta mil páginas de autos; um procurador Geral com uma respeitabilidade a guardar; e ao invés de um único juiz, para bater o martelo, tivemos um colegiado de DEZ ministros, todos encanecidos na lide jurídica, muitos deles autores de renome.

Quero dizer com isso que TODAS AS POSSIBILIDADES já foram exaustivamente analisadas (exaustivo não só para aqueles atores do processo, como também para o povo brasileiro em geral). Não se tratou de brincar de julgar. Provas foram produzidas, culpas explicitadas, testemunhos registrados.

Além disso, NÃO HÁ instância superior ao STF, à qual recorrer, para o malfadado "reexame". Ouvi falar que alguns dos condenados cogitaram de recorrer a Haia - porque não o fizeram? Eu respondo ao final disso.

Nào. Definitivamente não há espaço aqui para reexame, no entendimento de duplo grau de jurisdição, até porque o texto constitucional NÃO O EXPLICITA.

Os "Embargos Infringentes" tão defendidos pelo Dr. Heleno Fragoso, de saudosa memória, são aqui tão impertinentes quanto um "Parabéns pra vocꨠ num velório.

Mas há duas outras facetas a considerar.

Em primeiro lugar, o respeito aos Ministros do Supremo fica enxovalhado, vez que - numa conclusão simples - se supõe que eles podem ter sido injustos (DEZ MINISTROS!!!!). Não importa o regimento do Tribunal e suas disposições, NÃO ESTÁ NA LEI, ao menos onde eles apontam.

Caso admitido o reexame, a Justiça brasileira ficará irremediavelmente manchada com a suspeição "latu sensu" do STF como um todo - como incapaz de estabelecer a Lei, incapaz de fazer jurisprudência, incapaz de julgar, enfim.

Em segundo lugar, o povo brasileiro, que sempre achou que tudo acabaria numa imensa pizza, cujo preço estamos pagando, terá confirmadas suas impressões. E isso representará uma reação em cadeia, descendo pela pirâmide social com nefastas consequências.

Além, naturalmente, de se postergar de maneira irritante a atribuição de penas aos envolvidos... claro, daqui a uns anos, alguns já estarão aposentados, com salário de deputado...

Quem viver, verá. Justiça não pode abrigar leniência, especialmente quando a mais alta corte em funcionamento já deliberou.

P.S. - os condenados não recorreram a Haia pela simples razão de que tal peça recursal soaria inteiramente vazia aos magistrados internacionais e, igualmente, exporiam a imundícia que permeia nosso mundo político brasileiro. SÓ POR ISSO. Faltaria aos postulantes credibilidade.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

CHAMPIGNON MORREU... PORQUE?

Nos chega a notícia impactante de que mais um jovem músico, que pertencera à banda Charlie Brown Jr, o Champignon, morreu.

Pelo que tudo parece indicar, atentou contra a própria vida, dentro de seu apartamento, que compartilhava com a esposa, grávida.

Não sou do ramo, não conheço muito dos músicos contemporâneos do falecido, nem de sua trajetória. Mas me permito considerar o passamento sob um outro prisma - o da juventude perdida.

Não me chamem de saudosista, mas tentem lembrar de quantos músicos das décadas de 60/80 foram mortos a tiros (houve alguns, esparsos), seja pelo suicídio, seja em atentados de algum criminoso!

Em tudo e por tudo vejo uma juventude perdida. Perdida em seus rumos como gente, como profissionais, como parentes...

O que se vê costumeiramente são jovens em idade (quase) de casar agredindo professores, nas escolas. Inclusive senhoras! Adolescentes e jovens rudes, estúpidos, ignorantes e que nada fazem para deixar de sê-lo...

Ou então filhos que dominam seus pais desde a mais tenra idade! Talvez já tenham visto um clipe no "Youtube" onde há uma meninazinha, aí pelos seus dois aninhos, intimando o pai, porque ele não a queria deixar sair de casa para se juntar às amiguinhas! (não importa a motivação, aqui se destaca quem PRECISA obedecer).

Jovens que solenemente são iniciados no mundo do sexo (maravilhoso, claro, mas com seu preço), das drogas (até pelos próprios pais!), da bebida - já notaram que essa rapaziada só não bebe chumbo derretido porque está quente? E não por acaso proliferem umas beberagens ridiculamente baratas, cheias de químicos, que regam as festinhas... e fazem a festa dos contrabandistas de bebidas "mata-rato".

Adultos jovens que não têm metas de vida outras a não ser enriquecer, aparecer para os holofotes... não pensam em perpetuar o que a sociedade tem (ou teve) de melhor... Hoje em dia é só dissolução, orgias, bizarrices de todo o genero...

Não sou puritano. Mas quis somente dizer que infortúnios como o que aconteceu ontem são mero resultado do que está sendo cultivado ao longo das últimas décadas. Auxiliado por uma omissão doentia dos pais na vida dos filhos, pelo apelo da mídia em direção a liberdade total, pelo desserviço que os líderes das nações prestam às novas gerações com seus exemplo...

"O homem é o lobo do homem." Acho que o lobo não quer mais ser subjugado. Deus nos acuda...

sábado, 7 de setembro de 2013

MUDANÇAS DE VERDADE? UMA NOVA TEORIA SOBRE O CAOS

Acabo de tomar conhecimento do livro de Mark Blyth, da Universidade Columbia, EUA, denominado - "Austeridade, História de Uma Idéia Perigosa".

O autor nos traz exatamente o elemento de compreensão que faltava para o caos que tem se instalado na maioria imensa dos países desenvolvidos ou em desenvolvimento.

A bandeira da austeridade, esgrimida com furor por capitalistas ao redor do mundo, e discretamente adotada por alguns governos socialistas, é um mal tão grande quanto os déficits que se pretende combater - senão o maior.

Observem como as condições sócio-economicas degringolaram, à medida em que a tal austeridade foi sendo aplicada. O cataplasma amargo e doloroso, ao invés de curar o doente o está matando.

Notem que na maioria imensa de países que adotara o arrocho nas suas contas teve como resultado não exatamente a normalização das coisas, mas uma expansão no índice de desemprego, a degeneração dos serviços públicos, e um crescimento contínuo da insatisfação das populações.

Ressalta que as lições da depressão de 29-32 foram esquecidas.

Talvez, pensando bem, a problemática maior esteja na globalização, que ata os países em nós "górdios". Mas observem que enquanto os pobres empobreceram mais (não se enganem, aqui no Brasil está do mesmo jeito) as camadas mais prósperas de nossas sociedades CONTINUARAM prósperas...

Então... quem está pagando a conta da austeridade?

Não tenho dúvidas que as classes intermediárias (B e C), classificáveis com "médias", estão pagando o preço. E altíssimo, diga-se de passagem. Nossos técnicos, cientistas, prestadores de serviços sociais estão minguando a cada dia. Lá embaixo os pobres continuam sua vidinha normal, acostumados que estão ao caos (alguns saem daquela categoria, mas são exceção, ainda).

Enquanto isso, nossa classe A, e em particular a política, que é quem decide a aplicação das políticas e gere os processos... continuam passeando por aí em jatinhos, viajando ao exterior nas férias, construíndo seus castelos...

NOTARAM QUEM ESTÁ PAGANDO A CONTA?

Sete de Setembro de dois mil e treze - MUDA BRASIL, Pátria amada! (e espero que uma mudança dê exemplo ao mundo, que está se despedaçando).

sexta-feira, 6 de setembro de 2013

A ESTUPIDEZ DA CENSURA AUTOMÁTICA E A OPINIÃO LIVRE

Prezados, tentem encontrar no texto a seguir alguma palavra de abuso, ou baixo calão, ou algo meramente ofensivo: 

"Esse "imbróglio" é mais um fruto da falta de educação básica de nossa gente, e também falta de padrões. O moço APENAS apareceu para o mundo. Ele não pode começar assim "cuspindo" no prato onde comeu, e bem. E vamos e venhamos... um contrato de R$ 30.000,00 mensais para um garoto de 19 anos - pra começar - está ótimo. Sei isso saiu da cabeça de seu empresário, essa pessoa é um mercenário, está queimando sua "galinha dos ovos de ouro" já de saída, ao invés de aconselhar mais pé no chão e humildade..."

Pois bem, agora mesmo (12:28 de 06.09.2013) eu pretendi postar esse comentário a respeito do jogador Neílton, e sua pedida de R$ 100.000,00 mensais de salário, que o Santos considerou absurda... e o mecanismo de censura automático do UOL não permitiu a postagem... notam como as coisas estão sendo mexidas? Nem opinião se pode dar mais, principalmente quando o envolvido é dinheiro ou personalidades...

Mas, voltando ao tema... pessoas, o rapaz não tem SEQUER a metade do tempo de estrada do Neymar, e já estão envenenando o guri - inclusive comparando-o ao atleta recém negociado com o clube espanhol Barcelona. Como diz a sabedoria popular, "mal entrou no "ônibus" e já quer sentar na janela" (certeza que não é ele, ou se for, que foi influenciado por alguém).

O Santos oferecera "somente" R$ 30.000,00/mes. Tendo em vista o quão curta costuma ser a carreira de um jogador de futebol, eu acho razoável, para começar. Mas a situação não é o caso de catapultar o jovem para o estrelismo. Estão querendo que ele seja estrela, sem ao menos "brilhar"!!!!!

Com a palavra seu empresário, que certamente está tendo cólicas, porque viu sua pedida recusada. Cuidado com o que aconselha para o garoto, meu jovem!

Espero estar enganado, mas esse guri, caso não se dobre, JÁ ESTÁ QUEIMADO.


quinta-feira, 5 de setembro de 2013

POLITICADAS E VOLÚPIA POR PODER

A Assembléia do Povo, da República Árabe da Síria, divulgou uma carta, que endereçara ao Congresso americano, pedindo pela negação do ataque àquela nação.

O petitório acontece após uma história de confrontos sangrentos e populações achadas reféns de seus líderes.

Acontece que, perto de dois anos atrás, segmentos da população síria se insurgiram contra o governo do presidente Bashar Assad, que desde que assumiu, tem frustrado sistematicamente sua gente, em busca de mudanças democráticas que trouxessem modernidade à política do país, e mais desenvolvimento em outros campos da existência daquela nação.

Pouco sei sobre aquela gente brava, a nação síria. Mas até onde sei, são em geral pessoas como nós, que querem somente viver, e viver no nosso século. Não se admite uma democracia de um partido só. E é o que a família Assad tem proporcionado já por mais de quarenta anos, a seus irmãos - uma democracia torta, capenga, principalmente porque quem o elege é de sua confiança!

O processo democrático não existe, vamos ser francos.

Mas então, na expectativa de manutenção do poder a qualquer custo, o governo de Damasco enfrentou sistematicamente sua própria gente, contra a grita por mudanças.

A coisa degringolou de tal maneira, que quem não tem nada a ver com isso começa a se mexer para evitar um mal maior.

Então vem a Assembléia do Povo (leia-se, representantes de confiança do governo) pedir leniência. Sabem que literalmente "não ficará pedra sobre pedra", se as alianças ocidentais decidirem intervir.

Me causa espanto a postura do Sr. Assad. Sua posição é indefensável, não há dúvida. Se não for defenestrado pelas forças repressoras do exterior, o será por sua gente. Claro assim.

O que sobra? Volúpia insana pelo poder. O temor doentio de perder a posição nababesca em que vive (ou vivia, até então). Velhas tradições de prolongamento de dinastias, coisa de séculos atrás (exceto, talvez, algumas cabeças coroadas da Europa).

E o povo da Síria quer o que? Somente liberdade e modernidade. Seria pedir demais, Sr. Assad?

Agora não parece boa hora para correr atrás do prejuízo... Faça um favor a si e ao povo sofrido da Síria, Sr. Presidente... ao invés de negociar temas humilhantes em troca de nada, no médio prazo, forme um governo de coalisão/transição, e saia ainda com um restinho de glória. Os ancestrais de V.Excia. vão aprovar a medida.

quarta-feira, 4 de setembro de 2013

SUS + MAIS MÉDICOS(?) + FALTA DE RECURSOS = POVO ENGANADO E SOFRENDO

O programa Mais Médicos, do governo federal, entra em sua segunda etapa, e o barco começa a fazer água.

Não é pra menos.

Alguns dos profissionais aderentes ao programa já entregaram os pontos, reclamando de condições inaceitáveis de trabalho.

A falta de infraestrutura da Saúde no Brasil é algo comprovável em todos os sentidos. E observem que hoje em dia, o hospitais de eleição para nossos políticos se curarem de suas mazelas físicas (as morais são praticamente incuráveis) se tornaram o Sírio-Libanês, de São Paulo, ou o Copa D'Or, no Rio de Janeiro. Ressalto isso para lembrar que, em priscas eras, o hospital de base de Brasília era referencial (ERA).

Do meu tempo de segunda infância, tinhamos serviços segmentados de atendimento à saúde - IAPI, IAPETEC, IAPC, e por aí vai. Pouca coisa lembro de lá, mas me parece que funcionava.

Em minha infância e adolescência, SEMPRE fui atendido em estabelecimentos públicos (exceto umas duas vezes quando uma tia resolveu me apresentar ao médico particular dela), e o atendimento sempre fora rápido, cuidadoso e completo.

Pois bem, a população brasileira cresceu bastante desde então, preciso reconhecer (saudosismo puro e simples é burrice). Novas soluções tornaram-se imperativas. Novas siglas foram surgindo e se fracionando mas... as instalações não acompanharam as demandas crescentes do povo.

"Pari passu" popularizaram-se os "planos de saúde" (um novo nome para algumas máfias), e aí então deixou de ser prioridade do Estado cuidar de sua gente. Estava armado o palco para o caos.

Há uns dias atrás, os deputados federais Ronaldo Caiado e Zeca Dirceu debatiam questões relacionadas ao atendimento médico da sociedade, e o Dr. Caiado nos trouxe essa pérola, que repasso a seguir, com minhas palavras.

Uma pessoa de seu conhecimento engravidou e, aos quatro meses de gravidez, lhe solicitaram um exame de ultrassonografia. Bem... o agendamento oferecido foi para o exame acontecer dalí (a partir da data de solicitação) a OITO MESES!

Notem bem, meus amigos, o ultrassom poderia se realizar na criança, COM ELA JÁ NASCIDA!!!! Não é uma "evolução"?

Me custa imaginar que o funcionário que indicara o agendamento à paciente é assim tão estúpido(a) de supor que a grávida seguraria o nenê por DOZE MESES. Não, alguma outra coisa está errada.

Errada sim, aliás porque o regulamento do SUS prevê prazos bem mais curtos para rotinas da espécie.

O governo federal está brincando com nossa gente, ao manter a Saúde às traças. Está zombando de nossa capacidade de pensar e julgar. Não acreditam que dentre nossa gente exista alguém que cruze os altíssimos impostos que pagamos com a contra-partida que recebemos nos postos de saúde, nos "pronto-socorros", nos hospitais de grande porte. Tomando somente como base meu estado natal, me dói sobremaneira saber que hospitais famosos como o Souza Aguiar, Salgado Filho, Lagoa, precisam improvisar para atender nosso povo.


Mais uma coisa... não gosto do programa Mais Médicos, mas me dá azia a revolta da classe médica tupiniquim. PORQUE não se rebelaram ANTES, quanto às condições de trabalho? Com toda a certeza, se pressionassem e conseguissem melhor condição em toda parte, teriam melhores chances de prestar bom atendimento aos brasileiros, mais paz de espírito e uma chance otimizada de saírem da mão das "máfias" (leia se planos de saúde).

O que sobra? Nossa gente inculta e venal sendo conduzida como animais ao(s) matadouro(s)... enquanto que representantes da classe chamada esclarecida cuidam dos próprios umbigos...

QUANDO A INTELIGÊNCIA ENCONTRA A ALIENAÇÃO

Com muito prazer republico um texto profundíssimo, que pode divertir, e vai trazer muita luz, sobre o momento político que vivemos. É ...