terça-feira, 31 de março de 2015

"TRABALHADORES SE DEMITEM. ESCRAVOS FOGEM"



Ponto para a democracia.

Um ponto meio sujinho da maldade humana. Um ponto meio roubado, nesse jogo perverso que é o jogo de interesses socialista (comunista?) que está acontecendo no Brasil.

A médica cubana Dra. Dianelys San Roman Parrado sumiu. Desapareceu do território brasileiro - onde se pratica uma democracia capenga, estuprada e venal - e reapareceu onde há democracia - nos Estados Unidos.

Não fugiu porque era maltratada AQUI. Não fugiu porque é política corrupta. Nem tampouco fugiu por ser bipolar (palavra meio em moda).

Ela fugiu porque seus irmãos de sangue, aqueles mesmo que dominam sua terra natal - CUBA, a estavam querendo prostrar de joelhos, depois de mais de um ano sugando dessa profissional parte apreciável do fruto de seu trabalho (sabem quanto o governo cubano retem para si, do salário que é pago aos médicos do programa "Mais Médicos"? Descubram...). Eles pretendiam que ela retornasse à ilha, e/ou enviasse de volta seus familiares.

Como o leitor Antonio Eduardo Monteiro Fernandes pontuou - "trabalhadores se demitem. Escravos fogem.".

A Dra. Dianelys era escrava. Agora é livre. Dada agora a dança de interesses, não se sabe até quando permanecerá livre, com os seus queridos. Mas é livre, agora.

E foi escrava duas vezes, nada mais, nada menos! Escrava de um governo infame, de ideais distorcidos de vivência socio-econômica, opressor mesmo - o de Cuba... mas também de um outro governo corrupto, igualmente infame, desleal com quem lhe estende as mãos... o governo brasileiro.

A propósito... falando em escravidão, recomendo compararem o que é pago aos profissionais médicos cubanos em relação ao que é pago aos médicos de outras nacionalidades, ou mesmo brasileiros... a escravidão literalmente pula dos números, em direção ao intelecto da gente.

Me envergonha a forma como os Ministérios da Saúde e do Itamarati estão lidando com essa gente corajosa, que sai de sua terra e vem ajudar nossa gente tanto ou mais sofrida que eles, até. Gente que vem aqui enfrentar preconceitos estúpidos de nossa gente inculta, que são explorados por nossa gente...

Não sei se me entendem. Agora o Ministério da Saúde informa que não tem nada a ver com questões trabalhistas entre os profissionais e Cuba. Puxa, pessoal, isso é sacanagem da grossa... Afinal eles são o que, para nosso Ministério da Saúde?

Mas a brasileira pilantragem  não para aí. Ao que parece o contrato geral admitindo essa transferência de profissionais prevê que venham com seus familiares, previsto inclusive o deferimento de vistos, pelo governo brasileiro. Então, que "m" é essa de eles pressionarem as famílias a retornarem, e o Itamarati não dizer NADA?

Ah, me poupem.

SEJA FELIZ, Dra. Dianelys, junto a teus amados! Respire liberdade de verdade, democracia de verdade, desfrute e sofra os consectários dessa fuga desesperada! Certeza que já está valendo a pena!

P.S. - e, aos que defendem o regime cubano, uma sugestão: MUDEM-SE PRA LÁ! Falar de boas condições de outrem, sem experimentar ditas "boas condições" é mera demagogia.

quarta-feira, 25 de março de 2015

O ESPERNEIO DOS DESONESTOS



O Jornal Folha de São Paulo dessa quarta, 25.03.2015, traz matéria onde advogados de envolvidos na operação "Lava Jato" gemem que os tribunais estão se "dobrando" á indignação das ruas e cometendo excessos que ferem a Constituição, etc e tal...

Reclamam igualmente que escutas telefônicas estavam em andamento contra cidadãos imunes (exceto por decisão do STF) a tal invasão. E o "chororô" não para.

Vale lembrar que aqui ninguém fala em ilicitudes, somente no excesso dos exatores. Mas... por exemplo, manter altas somas em bancos fora do país passa o recado de que se pretende ocultar recursos. Seja minimamente da Receita Federal (evitando-se a tributação), seja para não ter de responder a perguntas complicadas de responder. De toda maneira é criticável, no mínimo, a coisa.

Recentemente um dos "bad boys", ao ser mimoseado com liberdade sob recurso, se apressara a transferir a bagatela de 70 milhões de reais da Suíça (tornada um campo minado) para o principado de Mônaco - como se isso fosse passar despercebido, nesse momento de holofotes ativados, ou como se fosse corriqueiro um cidadão brasileiro transferir essa "mixaria" de um banco estrangeiro para outro BANCO ESTRANGEIRO. Pessoas, isso é um acinte.

Ora, ora, ora, senhores! É necessária uma dose extra de decência, se alguma já existe!!!! 

Aos reclamões de plantão, alguns lembretes...

Se o pedido de escuta telefônica fosse ao STF lá encontraria (ou pelo caminho) um cortejo de "padrinhos" que certamente negaria autorização. O fator sigilo perderia milhares de pontos, o comprometimento da operação seria certo.

Se o clamor das ruas não se elevasse, NADA SERIA FEITO. 

Acontece que a manutenção do "status quo" atende aos interesses de "Utopia" (uma nação encravada no meio do Brasil, onde os habitantes, residentes em alguns blocos específicos, são sustentados pelo suor dos habitantes do país à sua volta). Não se enganem!!! A derrama de propinas servia muito bem aos "moradores" do Executivo e do Legislativo (o Judiciário, embora esteja na mesma nação utópica, tem mais decência, ao menos).

Essa rapaziada parece não entender o que está escrito em Provérbios - As rapinas dos ímpios os destruirão, porquanto se recusam a fazer justiça (21:7)

BELÁGUA - MISERÁVEIS POBRES, SOFRENDO POR CAUSA DE OUTROS MISERÁVEIS



Rede de TV importante esteve veiculando, ontem, matéria a respeito de algumas cidades no Brasil que se caracterizam pela pobreza e carência extrema.

O pessoal da reportagem se deteve numa cidadezinha do distante Maranhão (distante dos centros de decisão, dos centros empresariais, enfim...), chamada Belágua, dentre outras.

Um nome que poderia indicar beleza. Uma cidade que sem dúvida rivaliza com rincões desvalidos da África!

Como se supor um lugar onde as pessoas comem, e não têm idéia de quando vão comer novamente? Como se imaginar seres humanos vivendo em condições de campo de concentração nazista, desnutridos, esquálidos mesmo, e sem esperança?

Acima de tudo, a pergunta... COMO ISSO ACONTECE NUM PAÍS TÃO RICO COMO O NOSSO?

Meninas sendo induzidas a prestar "favores" sexuais, em troca de comida!!!!! Mães lactentes, que não comem, mas precisam alimentar seus bebês... miséria humana mesmo...

Pessoas... como é que a família Sarney (e seus acólitos, claro), permitiu tanta miséria, tanta carência, ao longo de seu longo "reinado"? Sim, porque desde a aparição do primeiro Sarney - deputado, 1955, até o ocaso da mais recente (Roseana, governadora, dezembro de 2014) medearam nada menos do que cinquenta e nove (59) anos. COMO PERMITIRAM ISSO COM SEUS CONCIDADÃOS, patrícios do mesmo torrão?

Uma coisa que seria cômica, se não fosse trágica... um certo secretário tentando explicar porque duzentos e poucos mil reais destinados à merenda escolar não cumpriram com sua missão...

Outra coisa, essa absolutamente IMORAL - O Exmo. prefeito daquela angústia toda, Sr. Adalberto Rodrigues, mora na capital. Imaginem se esse cidadão está preocupado com os moradores de "sua" cidade!

Mas, como já postulamos, o Sr. Rodrigues não é o único político devendo explicações aos "belaguenses". Há toda uma cadeia de envolvimentos, e inclusive sirvo-me desse espaço para saber do Sr. ROBERTO ROCHA, que fora eleito senador com auxílio dos locais - por onde anda, Sr. senador, e o que tem feito por quem, vivendo a miséria de uma renda "per capita" de R$ 140 reais, elegeu V. Excia. a um cargo que percebe, de vantagens mínimas perto de CENTO E NOVENTA vezes a supracitada renda?????

E os deputados federais do Maranhão, o que têm feito, em troca dos R$ 26.500,00 (valor mínimo das vantagens pessoais que recebem)?

(nem vou chamar à atenção os deputados estaduais e vereadores da sofrida cidade... esses não podemos dizer que fazem algo pela nossa gente belaguense).




terça-feira, 10 de março de 2015

ESTADO ISLÂMICO - CRIANÇAS, ASSASSINOS, OU MEROS OFENSORES DA FÉ MAOMETANA?



O mundo está em polvorosa porque determinado grupo radical, com discurso religioso e ações militares, resolveu "criar" uma nação.

E, a ferro e fogo, vão subjugando sociedades inteiras, depredando sem respeito nem noção de valor a cultura de antepassados, matando indiscriminadamente, ameaçando de forma insana...

E tudo isso em nome de Alá - PODE UMA COISA DESSAS?

Quem quiser ter o trabalho de conferir no Corão (o nome certo é esse), verá que esses tipos de violência são repudiados pelo texto sagrado. Aliás, algo interessante de se notar é que a imensa maioria dos descendentes de árabes que conheço (o berço do islamismo É ÁRABE), é que são sempre pessoas extremamente afáveis, prestativas, educadas (em todos os aspectos, normalmente), ciosas do bem ao seu redor...

Como entender a fúria insana dessa caterva?

Não se pode entender, a não ser que consideremos a realidade de uma alienação coletiva, lavagens cerebrais e condições semelhantes.

E a coisa assume proporções preocupantes, quando se considera que gente "bem nascida" (digamos assim, em condições socio-econômicas melhores do que a média) - de Estados Unidos, Inglaterra, França e outras nações de primeiro mundo - está se encantando pela rotina da maldade, da perversidade mesmo, da sujeição a ferro e fogo de populações inteiras...

EM NOME DE ALÁ? Não pode ser!

Não. A volúpia de poder de alguns cérebros deformados pela ignorância e intolerância, que resolvem  querer o poder. Simples assim.

Mas eu preciso ponderar, meus caros, que o modo moderno de educar crianças e jovens tem uma participação grande no horror que estamos presenciando.

Acontece que as pessoas estão já desde a década de 80 adotando aquela postura do "live and let die". Nossas novas gerações são ensinadas a relativizar a importância das pessoas, a valorizar "o que se tem", ao invés "do que se é". E a fomentar a liberação da angústia pessoal, ao descobrirem, muitas dessas pessoas que se vão inserindo na sociedade, que suas vidas são vazias, sem finalidade.

Daí para que causas insanas - como Boko Haram e ISIS - sejam abraçadas, é um passo muito pequeno. Jovens são por excelência aventureiros, e dentro da insanidade global, aprisionar crianças em gaiolas, sequestrar moçoilas para servirem a seus algozes, ou degolar inocentes profissionais, nada mais é do que extensão RPG perversa ao extremo, dos video-games que cresceram cultivando.

Nosso mundo está morrendo, seja pela poluição, seja pelos descuidos absurdos, comandados pelo capital, e pela megalomania.

Mas isso (o orbe em degradação) não vai fazer muita diferença, em breve.

Porque nossa sociedade TAMBÉM ESTÁ MORRENDO. Está chafurdando na lama da maldade, da insensibilidade humana... Estamos deixando de ser gente, e nos rebaixando a patamar ABAIXO DO REINO ANIMAL. Entendem agora a frase de Thomas Hobbes? - "O homem é o lobo do homem."

Pobre mundo.

FEMINICÍDIO - OU A ARTE BRASILEIRA DE CHOVER NO MOLHADO

Nossa "iluminada" mandatária-mor da República sancionou ontem, 09 de março, lei tipificando o assassinato de mulheres como homicídio qualificado em razão do gênero, enquandrando-o como hediondo.

Pessoas, me confirmem... o homicídio qualificado JÁ NÃO É CRIME HEDIONDO? Outra pergunta... no homicídio qualificado JÁ NÃO ESTÃO INCLUSAS AS MULHERES?

Sabem... me perpassa um mal-estar terrível, ao sentir que nossa "Pátria Amada, salve, salve!" está em crise de cabeças pensantes. Seja de moto próprio ou induzido por outrem, mas fazer nossa presidente assinar uma lei dessas é escarnecer do que já está escrito.

Mas a crise de cabeças pensantes não para numa estúpida lei, que parece reescrever outra.

Temos alimárias que acham que aumentar impostos é solução. Outros quadrúpedes com gens de muar que avaliam correto estender benefícios de esmola a nossa gente, mal instruída e mal acostumada, sempre de mãos estendidas ao beneplácito governamental/público.

Falando em mãos estendidas... me faz lembrar aquelas multidões de infelizes (e ULTRA explorados) africanos, suplicantes em seus olhares, aguardando um pouco de água, um pouco de comida doada...

Mas voltemos à LEI.

O "feminicídio" é de uma estupidez planar. Porque aplicar um novo rótulo a antigas mortes não as fará parar, ou diminuir. A problemática está na cultura de nossa gente, incipiente desde as classes menos favorecidas, até à classe A.

Assim como a questão da homofobia. Senhoras e senhores, essas pessoas ignorantes e brutas que temos entre nós (fruto, volto a lembrar, de educação básica incipiente, e cultura social mais incipiente ainda) não estão nem um pouco se preocupando, na hora de agredir alguém, porque manifeste tendência comportamental diferente.

Outra, a questão do preconceito racial. Aliás, todos se lembram de negros, desde logo, quando isso é aventado, mas alguém se lembra da discriminação terrível que sofrem os oriundos de etnias indígenas, orientais ("aquele japa"), ou meros imigrantes de nossas nações limítrofes*?

O que eu quero dizer, pessoas, é que A LEI JÁ EXISTE. O que não há é a consciência social de que ela (a lei) precisa ser respeitada, e a sociedade se constrói com respeito às individualidades!!!!!

Acham mesmo que a tal lei do "feminicídio" fará com que menos mulheres morram? ESQUEÇAM.

Especialmente enquanto tivermos a leniência do "suspeito sem antecedentes, tem endereço fixo, tem emprego...", enquanto nosso aparato coercitivo for deficiente como é, enquanto os advogados disporem da abundância imoral de recursos que temos na Lei brasileira... parodiando Dante Alighieri - "ABANDONAI TODA A ESPERANÇA, VÓS..." (A Divina Comédia).

*vide episódios recorrentes, de bolivianos sendo usados em regimes de semi-escravidão, na nossa maravilhosa SAMPA...

quinta-feira, 5 de março de 2015

CONTRABANDO, IMPOSTOS, LEI... PODE-SE INOVAR?



Morreu mais um contrabandista de cigarros (porque não dizem que é um traficante, também?)

De tempos em tempos voltam às manchetes de jornal notícias sobre volumes expressivos de contrabando apreendido, e a menção preocupante de que o que se confisca é fração pequena, desprezível quase, comparado ao que chega a nossos consumidores tupiniquins.

Estive me debruçando sobre o tema, e penso que ao menos quando ao "carro-chefe" da contravenção - cigarros, pode-se fazer SIM algo a respeito.

As autoridades fazendárias do Brasil têm taxado com alíquotas pesadíssimas o produto interno. E ao que parece, esse excesso está voltado à contenção do consumo, em vista problemas de saúde que existem desde sempre.

Pois bem, isso NÃO ESTÁ FUNCIONANDO. A elevação do preço dos maços, ao invés de conter o consumo, só fez migrar consumidores para faixas mais baratas do mesmo produto, e então chegamos a quem sustenta o tráfico de cigarros - gente nossa, que simplesmente não consegue "segurar a onda"!

Por outro lado, o recuo do consumo está mesmo vinculado a uma melhor percepção do populacho das questões de saúde já antes aventadas, pura e simplesmente. Ademais, quem não gosta de fumar por que não gosta não está interessado nas alíquotas de impostos sobre o vício amaldiçoado (já notaram que um fumante contumaz FEDE CIGARRO? Uma marca maligna se lhe apega, com a qual vai lutar muito, se quiser se livrar dela).

Espero que me entendam. QUEM É FUMANTE COSTUMEIRO CONTINUA FUMANDO.

Solução - reduzir impostos sobre cigarros teria algumas vantagens imediatas e mediatas, a saber:

- o contrabando seria enormemente desestimulado, porque ninguém se sujeitaria a ir preso ou morrer em correrias pelas estradas, a troco de "banda de conto";

- a indústria nacional iria ficar toda feliz, aumentar a produção, mais postos de trabalho seriam criados;

- os gastos com ações contra o trafico desse produto em particular seriam reduzidos,

Será que o pessoal do M.F. faz contas sobre de quantas indústrias estão estrangulando, pouco a pouco, com políticas pura e simplesmente tributaristas?

MUDA BRASIL!

quarta-feira, 4 de março de 2015

PARADOXOS

Achei que vale a pena se considerar os paradoxos absurdos que vivemos, no Brasil, simplesmente porque as autoridades estão mais preocupadas com seus próprios umbigos, do que com a Pátria. Confiram...

COMBUSTÍVEIS

Nosso mundo tem centenas de países, em maior ou menor estágio de desenvolvimento, todos eles... a imensa maioria usa de forma massiva combustíveis fósseis (leia-se derivados de petróleo) - gasolina, óleo diesel, butano e propano.

Em razão do "boom" desenvolvimentista das décadas pós-guerra, tornou-se imperativo o desenvolvimento de novos produtos, que fossem gradativamente substituindo o bom e velho petróleo, que além de poluir o meio ambiente de "n" maneiras, é finito.

Surgiram alternativas de produção de energia elétrica, que poderão suprir também veículos movidos a eletricidade, em futuro muito próximo. tem o bom e velho (já) álcool...

Primeiro paradoxo - temos petróleo, produzimos petróleo, MAS TEMOS A GASOLINA MAIS CARA DO MUNDO. (E por favor ninguém me venha dizer que isso é necessário, EU SEI FAZER CONTAS.)

ENERGIA

Temos capacidade hidráulica em utilização no mínimo suficiente para suprimento de nossas necessidades nacionais de energia. Temos também campos de coleta de energia eólica, usinas termelétricas, nucleares... E a energia que consumimos em nossos lares não para de subir, pelo menos ao longo dos últimos seis meses...

MINERAÇÃO

Somos a primeira das tres ÚNICAS nações (outra é o Canadá, com 1,11% das reservas mundiais, e a outra é a Austrália, com 0,46%), onde há mineração de Nióbio (símbolo químico Nb, pra quem não souber do que se trata). Tem utilização FUNDAMENTAL na elaboração de ligas de alta resistência, e aplicáveis em gaseodutos e estruturas de aeronaves.
O Brasil, maior produtor mundial, NÃO REGULA o mercado desse minério vital.

O meio-ambiente está literalmente se dissolvendo ao nosso redor, com enchentes diluvianas no norte, e secas saarianas no sudeste/nordeste, mas NINGUÉM amarra pontas, para solução dos problemas.

Será que a galera planaltina ainda não concluiu que temos um país na UTI, POR CAUSA DELES?

Muda, meu Brasil! Desapareçam, lorpas e pascácios que insistem em (des) mandar no país!

QUANDO A INTELIGÊNCIA ENCONTRA A ALIENAÇÃO

Com muito prazer republico um texto profundíssimo, que pode divertir, e vai trazer muita luz, sobre o momento político que vivemos. É ...