terça-feira, 28 de abril de 2015

BETO RICHA - SEGUIDOR DE MAUS EXEMPLOS, OU MERAMENTE OPORTUNISTA?

Temos, mais uma vez, embate entre os interesses do Executivo (porque não também do Legislativo), e a categoria dos professores, no estado do Paraná.

Como se não fosse suficiente a essa sofrida gente do magistério a lembrança da cavalaria que os enfrentara, nos tempos (negros) do hoje Senador Álvaro Dias - quando ele ainda era governador do estado, temos agora a encarar ditos servidores batalhões de soldados armados ao menos de cassetetes e "sprays" de pimenta.

Como se não bastasse o achatamento de importância inaudito que sofrem, tão inferiorizados são que até vereadores/deputados/senadores analfabetos ou semi-analfabetos recebem mais respeito do que eles, ainda têm o risco de serem solapados em suas reservas, submetidas à tutela da ParanaPrevidência, sem a menor cerimônia!

Os defensores do sequestro com jeito de reorganização dizem que "nada mais justo" aquele instituto arcar com proventos de aposentadoria dos servidores, etc e tal...

EXPLICO. Ao se aposentar, atualmente, o funcionário do estado do Paraná recebe percentual do estado, e um complemento da ParanaPrevidência. A idéia do governo do sr. Beto Richa é que o ônus integral dos proventos de aposentadoria seja vertido daquele fundo, e o estado seja liberado dos valores que repassa até agora.

Como nenhum azar anda sozinho, ainda determinou-se, em março passado, que os aposentados devam recolher contribuição ao fundo de previdência, para fazer jus a aposentadorias que superem R$ 4.600,0, aproximadamente, em relação ao teto pago pela previdência oficial. Ou seja, JÁ SÃO APOSENTADOS, mas deverão contribuir, no que em seus holerites superar aquele valor.

Pretende-se também que os recursos de tal fundo, assim como demais fundos similares, mantidos sob égide do estado, sejam utilizados para acudir a outras despesas quaisquer.

Mas agora, vejam, senhoras e senhores. É MUITO FÁCIL, para o Sr. governador, e bem assim para os Srs. deputados estaduais, cujos polpudos salários desfrutam de regramentos exclusivos, legislar sobre o dinheiro alheio. ALHEIO SIM, porque os recursos amealhados pela ParanaPrevidência pertencem ao funcionalismo como um todo, não ao governo do estado.

Outras medidas estão sendo preparadas, como o "Nota Fiscal Paranaense" (que para mim demorou muito para ser copiado do vizinho estado de São Paulo!), e caso o estado do Paraná esteja mesmo "na bacia das almas", penso que se deveria avaliar o impacto dessas medidas, de objeto mais sério e legítimo, do que mexer no bolso de quem, com suor, dedicação e até teimosia, insiste em inculcar nas cabeças dos paranaenses um mínimo de conhecimento.

Sr. "Beto" Richa, é no mínimo decente de parte de V. Excia. conceder isso a nosso estado, e a seu funcionalismo estadual. Afinal de contas, são trabalhadores como eles que contribuem, com seu salário sofrido (o Sr. já fez uma jornada de tres colégios, dando aula para alunos rebeldes e mal-educados, indo na correria de um lugar para outro, sem tempo sequer para se aperfeiçoar ou descansar, Excelência?) para a formação de vosso salário, que beira R$ 33.700,00.

Igualmente, são os esforços desses abnegados que contribuem para que a senhora mãe de v. Excia. tenha uma pensão de mais de R$ 37.000,00 (Ok, a pensão que o Sr. José Richa deixou compõe-se com a de senador, por isso maior, mas parte é de provetos de ex-governador).

O Sr. não fica vermelho em mexer no dinheiro de gente que recebe, por padrão, algo em torno de R$ 2.500,00? JURA?

Excelência. PARE DE JOGAR NOS OMBROS DOS OUTROS A CULPA PELA FALTA DE RECURSOS. Descubra por onde os recursos estão saindo, e tape os buracos. Ou deixe a cadeira para alguém que saiba fazer isso.

segunda-feira, 13 de abril de 2015

O SR. ALCKMIN E SEU DESABAFO

Noticiário de hoje traz matéria em que o Exmo. governador do estado de São Paulo, Dr. Geraldo Ackmin, falara em tom de desabafo sobre os descalabros que se cometem desde sempre, contra nossa gente brasileira, contra o Brasil, já se vê.

Dissera que "faltaria guilhotina se o povo soubesse o que se passa", em referência bem clara sobre a corrupção, como denotaria o restante do discurso.

Até aí, nada demais. Não conheço o Sr. Geraldo Ackmin com domínio de sua vida pregressa e, nada obstante tudo o que já disseram ou dizem sobre ele me parece pouco em relação ao que o ilustre político já fez por São Paulo. Que me repreendam seus detratores (e apresentem provas, se o quiserem).

A coisa que se me afigura prosaica é que a matéria revela que o pronunciamento de S. Excia. causara estranheza, porque ele não dirigiu suas críticas acerbas a nenhum segmento de poder, nem tampouco excluira o pessoal de sua legenda partidária.

Ora, ora, ora, senhores, sejamos sérios!

TODAS as agremiações partidárias, do Oiapoque ao Chuí, tem em seus quadros gente indigna, que de maneira amparada por nossas leis tem se locupletado da riqueza nacional. Uns partidos mais, outros menos, mas em todos haverá gente sem escrúpulos, que esquenta seu lugarzinho na expectativa pura e simples de melhorar SUA PRÓPRIA VIDA, e o Brasil e demais brasileiros que se  "efem"!

Seu partido? Ah, seu partido!!!!! Que ninguém se doa pelas palavras ácidas mas verdadeiras do homem! Senhores do PSDB, se vocês acaso escapam dos rótulos evocados (sacripanta, ladrão do Erário, mentiroso, embusteiro, corrupto...) fazem parte do problema, na medida em que o encobrem, nessas intermináveis reuniões de final de noite!!!!

O Dr. Geraldo pode até ter suas fraquezas, pode ter sido omisso em alguma coisa aqui e acolá, mas justiça seja feita...

FALOU POUCO MAS FALOU BEM!

sexta-feira, 10 de abril de 2015

CORRUPÇÃO EM TODA A PARTE - ONDE VAMOS PARAR?

Nem Mensalão, nem PETROBRÁS. Nem ninharias de partidos.

A lama malcheirosa - atraente, nada obstante, envolve na verdade senhores (e senhoras) vetustos, de cabelos grisalhos, já cansados da lide pública, mas que insistem em maus exemplos!!!!!!

Fico pasmo, do alto de meus cinquenta e oito anos, da falta de vergonha de meus contemporâneos!!!!! Gente, não estamos falando de roubar uma calcinha, numa loja, ou engolir um troco numa padaria.

Estamos falando de conselheiros do CARF!!!!!! Confiram a matéria!

www1.folha.uol.com.br/mercado/2015/04/1614692-carta-anonima-levou-policia-federal-a-esquema-da-operacao-zelotes.shtml

E pelo que até agora foi remexido, o "imbróglio" (não resisto a essa palavra italiana!) envolve "clientes" de cacife alto, como por exemplo, JBS, Gerdau, MMC, RBS, Cimento Penha... (outros nomes não foram confirmados, por isso os excluo da crônica).

Confiram... marcas de renome internacional, literalmente aplicando um "dinheirinho" para se livrarem de penalidades em que incorreram!

Mas o esperneio dos culpados é uma coisa. Outra é a volúpia dos tomadores de decisão, ao nível da autarquia pública. Ora, pessoas, esses senhores de madeixas (quando as há) vetustas querem o que, amealhando bilhões (conforme levantamentos preliminares), para além de seus salários que, como soi acontecer no Brasil, já são polpudos?

Querem aparecer para quem? Me fazem lembrar de frase atribuída ao guarda-livros do Sr. John Davidson Rockefeller, quando do passamento do bilionário, ao lhe inquirirem sobre o quanto o homem deixara de sua fortuna. O empregado retorquiu "ele deixou tudo".

Pessoas, a vida é muito curta para o cometimento de barbaridades como a desses senhores. Observem que quando algum dinheiro é sangrado do sistema (como temos visto sobejamente), na ponta dos mais fracos o sofrimento é incrementado. Mas não é só o aspecto social que me inquieta, no desempenho desses senhores, sob suspeita de vigarices (logo, são pretensos vigaristas).

Algo que também me preocupa sumamente é o aspecto moral. Pensem... o filho de algum deles, ao ser inquirido "a fortuna da família foi construída legalmente?"... o que a pessoa responde? Que seu pai, ou avô foi um escroque do Erário?

E vou além. Esses senhores, além de prestarem um serviço vergonhoso à própria família, servem de referencial negativo para os amantes da vida fácil que povoam essa terra tupiniquim. Com seus exemplos, sob risco de nem serem penalizados (já se ventila a possibilidade de as investigações não prosseguirem, caso se desconsidere a carat anônima em que se fundou!!! Notam a loucura reinante no regime legal brasileiro? Um crime já passível de comprovação não se apura, por que a fonte que o indicou não tem procedência conhecida! É O FIM!) os ilustres candidatos a salafrários ensinam a centenas, quiçá milhares que hão de trilhar suas carreiras, de que o lucro fácil É REALMENTE FÁCIL.

Brasil, eu te amo, mas alguns de teus cidadãos me fazem tanta raiva...

quarta-feira, 1 de abril de 2015

MAIORIDADE PENAL - QUEM SE IMPORTA MESMO?



Mais um tema cabeludo está sendo debatido, no âmbito do Congresso Nacional.

Após VINTE E DOIS anos de tramitação, a proposta de redução da maioridade penal chega a seus "finalmente" (ou quase).

Nada obstante o tempo exagerado para tomada de decisão a respeito, ainda remanescem posturas anacrônicas, estúpidas mesmo, a propósito de algo que o resto do mundo trata com praticidade.

Naturalmente a turma dos "direitos dos manos" vai levantar que no Japão isso não é necessário, que a maioridade lá é de 21 anos pra cima, etc e tal...(ninguém coloca na mesma discussão a cultura irrepreensível daquele povo...)

Demagogos de plantão vão vociferar a respeito da proteção às crianças, etc e tal... (ninguém pensa em proteger as crianças DELAS MESMAS...)

CRIANÇAS!!! COMO ASSIM?

"Galalaus" de 1,80 m que metem "canos" na cara de incautos cidadãos, em nossas cidades principais.

Despudorados que aos 15 anos desvirginam meninas a torto e a direito, "emprenham" as moças e saem por aí, posando de garanhões... Me lembro de um

Delinquentes que aos 14 anos têm coragem de esbofetear professores!!!!! (https://www.youtube.com/watch?v=VbhMbMa01BI)

CRIANÇAS?????

Gente, o mundo mudou. Com saudade preciso admitir que há 40 anos atrás o rótulo de "crianças" caberia muito bem aos exemplares acima. Culpados ou não de ilicitudes.

Mas, na sociedade brasileira do século XXI, eivada de modismos como por exemplo "liberdade total para crianças", flexibilidade de costumes, novelas pervertidas e permissivas, permissividade total enfim, NÃO HÁ MAIS ESPAÇO para uma proposta puritana de gente ininputável abaixo de dezoito anos.

Na sociedade moderna (ou pós-moderna, como teimam os lorpas e pascácios*), as famílias estão cada dia mais se alienando do sagrado mister de introduzir as novas gerações na sociedade. Hoje em dia quem apresenta o ambiente social aos petizes são suas babás, ou professoras do "prezinho", ou mesmo a dura realidade dos becos e vielas, de quem tem a sina desafiadora de nascer nas favelas.

No contexto educacional pululam conceitos de uma psicologia de defesa frágil, que admite tudo, MENOS que alguém seja reprovado. E, como soi acontecer, alunos aculturados de forma pífia produzirão profissionais mal capacitados e, dentre esses (aqui mora o perigo real!) haverá professores ainda menos cultos que seus mentores, e a coisa vai se repetindo, numa espiral insana de fragmentação da cultura, que tanto faz diferença mundo afora.

Não, nossos menores de dezoito anos NÃO PODEM SER CONSIDERADOS adolescentes, nem principalmente crianças. Eles já sabem exatamente o que querem ser ou ter, a partir já dos quinze anos.

O Exmo. Sr. Dr. Marco Aurélio Mello pontifica "cadeia não conserta o preso". Não conserta mesmo, Excelência, concordo. Mas a mera possibilidade já refreia ao menos quem ainda está se aventurando somente. Como é o caso da maioria absoluta de nossos "inocentes" delinquentes juvenis.

Agora pensem... se alguém maior de DEZESSEIS anos pode votar, porque não pode assumir sua responsabilidade por fatos e atos de sua lavra?

Que venha a nova lei. Estamos fartos de hipocrisia. Por causa de "direitos dos manos" aplicados de maneira distorcida, estamos assistindo gerações inteiras de delinquentes sendo lançadas na sociedade que, ou se defende (e pode até morrer), ou delibera o que fazer. Mas deixar como está... NÃO PODE SER.


SAFADOS EM TODA PARTE, SERÁ?

Bom dia!

O noticieiro de hoje nos informa que além dos "aviões" da operação Lava Jato, mais VINTE E SEIS pessoas ligeiramente menos cotadas mantém ou mantiveram contas no sistema bancário suíço.

Desde desembargadores, passando por contadores "de peso", diga-se de passagem, meros "adevogados"... a lista é alentada.

Cabe mencionar que dentre os afortunados correntistas no exterior, alguns não cumpriram com a documentação mínima necessária para fazer face à lei brasileira.

Falando em lei, não há impedimentos a que essas contas existam, desde de que informadas ao Sistema Financeiro Nacional (Receita Federal, etc.).

Como se vê, não são só corruptos da Petrobrás e de empreiteiras que levam nossos suados caraminguás pra fora do país. Não admiraria nada se líderes de facções criminosas não estivessem também usufruindo da benesse amparada pela lei.

Mas isso me faz levantar uma questão no mínimo incomoda: PORQUE? PORQUE CONTAS NO EXTERIOR?

Apesar das diatribes de nosso sistema financeiro, o sistema bancário brasileiro é considerado um dos mais seguros do mundo, acreditem meus leitores ou não. Aliás, exatamente pela inconstância do ambiente financeiro aqui no Brasil, os burocratas dos bancos precisaram construir estruturas de segurança consistentes, protetivas de sua clientela. Já a Suíça (e outros paraísos fiscais, por assim dizer), famosos pela sua opulência, não têm tamanho aparato assim... Em paralelo, porque será que está acontecendo tanto "furdúncio" a respeito, se não fosse por nada?

Já se sabe que aqui temos também das mais altas taxas de remuneração de aplicações que se conhece no mundo. Assim, dizer que a remuneração de aplicações além-mar é mais atraente é algo sem sentido.

Ocultar sinais de riqueza? Hmmmmm... sei não. Já observaram como são suntuosas essas sedes de escritórios de advocacia? (nada contra opulência, pode até indicar capacidade profissional...)

Sabem o que eu penso?

Cheira a pilantragem. Parece muito mais a intenção de ocultar lucros E suas origens, do que proteger patrimônios. O tempo vai dizer o que tenho de razão ou não.

QUANDO A INTELIGÊNCIA ENCONTRA A ALIENAÇÃO

Com muito prazer republico um texto profundíssimo, que pode divertir, e vai trazer muita luz, sobre o momento político que vivemos. É ...