A ODEBRECHT E O ESTADO DE DIREITO





Jornais importantes do território nacional publicam comunicado da poderosa construtora Odebrecht (alí denominada "Organização"), no qual repudiam veementemente participação da "organização" (é engraçado como me vem à lembrança a Cosa Nostra, uma outra organização) em episódios de ilicitude que a operação "Lava Jato" tem descoberto, no relacionamento de poderosos empresários, dentre os quais o pessoal do clã Odebrecht, com a PETROBRAS, dentre outras menos cotadas - podem acreditar, vai aparecer mais "cliente".


Dizem, dentre outras "pérolas", que as prisões acontecidas na sexta-feira, 19.06, são afrontas ao Estado de Direito. Que não têm nada a ver com as propinas, etc e tal...

Fica parecendo aquele guri imberbe que,  apanhado dentro da "zona", diz que foi alí apenas para acompanhar um primo. 

Ao brasileiro médio pode parecer algo pífio, mero "jus esperneandi" dos dedicados, laboriosos  executivos. E assim, parecerá algo sem tanta importância, para a maioria de nós, o vulgo especialmente.

Mas, num segundo momento, o que vemos é uma absurda, abominável ofensa ao dito cujo Estado de Direito. Exatamente, o tal Estado (que atualmente encontra-se próximo a um perigoso coma) merece respeito.

Ora, ora, ora, senhores... ponderemos, de cabeça fria!

Quando se ouve de encanecidos cidadãos como Paulo Roberto Costa, Pedro Barusco, Dalton Avancini (ok, é da concorrência), quando se sabe que o MP andou realizando acusações, já a quase dez anos atrás, o mínimo que se deveria ter diante das provicências da Lei é compostura. Aqui não vale esperneios.

Quando se ouve dizer de telefones irados do Sr. Marcelo Odebrecht, pedindo a outras pessoas resolverem "essa lambança", se faz necessário buscar saber do porquê de tamanha ira, ou de tal palavreado, mais apropriado para pós-jogo de futebol de várzea (ok, nosso futebol profissional parece futebol de várzea...).

Quando se descobre que um "interventor" de valores em trânsito do Brasil para o Velho Mundo candidamente muda seu domicílio para a Suíça, após estar instalado em residência de sonho, num cartão postal, nada nos demove da idéia de que há algo de podre POR AQUI, não exatamente no reino da Dinamarca, como escrevera o famoso bardo inglês.

Espero que entendam minhas entrelinhas... há com toda a certeza algo estragado na coisa, porque o Dr. Moro e seus auxiliares certamente não são loucos sem noção para sair por aí algemando pessoas inocentes, principalmente senhores já de idade madura, de quem se supõe procedam em suas vidas em sociedade com retidão e respeito.

Deputados, senadores, vereadores, por mais desonestos, venais, sem caráter que o demonstrem ser, são fichinha. Um constrói um castelo, outro leva poços do DNOCS pra dentro de SUA propriedade, outro compra apartamentos em Miami, e por aí vai.

NADA, PORÉM, SE COMPARA A essas sanguessugas gigantes, antediluvianas em seu tamanho, que desde um bom tempo atrás se aninha nos bastidores do poder.

Entendam, meus amigos e minhas amigas... essa gente não apenas rouba o Erário. Eles elegem e defenestram políticos, conduzem políticas econômicas, cartelizam outros ramos de atividade que não o deles, e sabe Deus mais o que podem fazer.

Não, escribas da Odebrecht. O Estado de Direito não foi afrontado pelas detenções. O Estado de Direito tem sido SISTEMATICAMENTE desrespeitado, desconsiderado, deformado por esses "capitães de indústria", que inclusive utilizam modelos medievais para consultar seus interesses (já ouviram falar das operaçoes da "organização" em Angola, utilizando mão-de-obra análoga à escrava? então...)

É horrível tripudiar sobre cadáveres, mas espero sinceramente que a Justiça brasileira - já tão combalida pela cupidez dos dominadores de nossa Pátria - saiba o que fazer, para restaurar o mínimo de respeito às instituições nacionais. Porque hoje não temos nada disso.

Brasil, eu te amo, mas teus grandes homens de hoje em dia são tão pequenos!!!!!!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

DE MARCHINHAS DE CARNAVAL...

ERROU DE NOVO, SR. MICHEL SAAD NETO!

CURA GAY E OUTRAS IMBECILIDADES EMPURRADAS PELA MÍDIA